Clínica da Mulher restringe atendimentos durante a pandemia

Durante a pandemia, atende gestantes de alto risco ou com intercorrências obstétricas, urgências ginecológicas, gestantes e recém-nascidos com cardiopatia

O trabalho feito segue as recomendações nacionais (Foto: Secom/Prefeitura de Guarapuava)

Como forma de zera pela segurança dos guarapuavanos, a Secretaria Municipal de Saúde de Guarapuava está seguindo as recomendações de prevenção do Ministério da Saúde para atendimentos e serviços durante a pandemia. Uma das medidas adotadas é voltada para os atendimentos ginecológicos feitos na Clínica da Mulher, que estabelece que consultas e coleta de preventivos eletivos, ou seja, aquelas agendadas antecipadamente, estão suspensas temporariamente para evitar aglomerações.

De acordo com a diretora do Departamento de Atenção à Saúde, Maria Thereza Massoqueti, o trabalho feito segue as recomendações nacionais. “É importante frisar que devido a pandemia o número de médicos está reduzido e, conseqüentemente, as consultas também estão. Atuamos para oferecer o melhor atendimento para a população, cientes de que nesse momento precisamos olhar com mais cautela para cada situação”.

ATENDIMENTO

Sendo assim, durante a pandemia, a Clínica da Mulher vai atender gestantes de alto risco ou com intercorrências obstétricas, urgências ginecológicas encaminhadas pelas Unidades Básicas de Saúde (UBS), gestantes e recém-nascidos com cardiopatia. Seguindo o protocolo de segurança, todas as consultas são agendadas previamente e são feitas com intervalos maiores entre os atendimentos.

Além disso, o monitoramento durante a gestação e no período pós-parto vai continuar. As gestantes e recém-nascidos seguem sendo contatados via telefone pela equipe do centro de Saúde da Mulher, que avalia o quadro de saúde de ambos. As visitas domiciliares para monitorar crianças menores de um ano também vão continuar.

As visitas domiciliares para monitorar crianças menores de um ano também continuam normalmente. Quanto ao atendimento puericultura às crianças menores de seis meses há agendamento mensal. Para crianças que possuem entre seis meses e um ano de idade, as consultas são agendadas a cada dois meses.

No caso de crianças avaliadas como alto risco, além do acompanhamento da UBS de referência, também ocorre a avaliação pelo médico pediatra do Centro de Saúde da Mulher, Modelo de Atenção às Condições Crônicas e Cisgap, com agendamento prévio.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

EXEMPLO

Bituruna economiza R$ 800 mil com redução de salários na pandemia

ECONOMIA

Paraná perde quase R$ 1,5 bilhão em arrecadação no 1º semestre

INSPIRAÇÃO

Projeto do grupo turvense Gralha Azul é premiado internacionalmente

Comentários