Educação: 28% dos jovens não vão voltar às aulas após pandemia

Outro dado da pesquisa aponta que, em relação ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), quase 50% manifestaram dúvida em fazer as provas

Em relação ao Enem, quase 50% manifestaram dúvida em fazer as provas (Foto: Agência Brasil)

O distanciamento social tem desanimado os jovens estudantes brasileiros, como aponta uma pesquisa divulgada hoje (24) pela Agência Brasil. De acordo com as informações, 28% dos jovens e 15 a 29 anos pensam em deixar os estudos quando as escolas e universidades reabrirem.

De acordo com o vice-presidente do Conselho Nacional da Juventude (Conjuve), Marcus Barão, o processo pretende construir uma base sólida de dados, capazes de apoiar tomadores de decisão das esferas pública e privada.

“Queremos auxiliar a formulação de políticas públicas e projetos para e com a juventude no período de pandemia, tanto para o enfrentamento dos desafios de agora, como para a construção de perspectivas para o futuro”. Barão é coordenador da pesquisa “Juventudes e a pandemia do Coronavírus”.

Cerca de 33.700 jovens responderam as perguntas do questionário de todos os estados da Federação e do Distrito Federal. Assim, outro dado afirma que em relação ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), quase 50% manifestaram dúvida em fazer as provas.

Promovida pelo Conjuve, em parceria com a Organização em Movimento, Fundação Roberto Marinho, Mapa Educação, Porvir, Rede Conhecimento Social, Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e Visão Mundial, o levantamento “Juventudes e a Pandemia do Coronavírus” entrevistou jovens de todo o país entre os dias 15 e 31 de maio. O questionário era respondido on-line.

Segundo Marcus Barão, isso representa um risco ao processo de desenvolvimento dos jovens. “Então, é crítico não só quando a gente olha para a pessoa, mas quando a gente olha para a condição de país, isso fica muito sério porque, basicamente, a gente tem hoje a maior geração de jovens da história do país”.

OS DESAFIOS

Além disso, o vice-presidente do Conjuve lembrou que mesmo antes da pandemia, a juventude já estava passando por momentos difíceis. Conforme a Agência Brasil, a taxa média de desemprego entre a população de 18 a 24 anos de idade era de 27,1%, o que significa mais que o dobro da taxa média de desemprego da população em geral, de 12,2%.

Quando o assunto é a perspectiva econômica, Barão explica que a perda de renda das famílias cria um contexto que afeta o educacional. “Isso é muito preocupante porque são justamente os pilares fundamentais para que a juventude consiga avançar. Sete em cada dez jovens relataram que o estado emocional piorou por causa da pandemia”.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

FOTOGRAFIA

Estudantes têm até 1º de outubro para inserir foto no cadastro do Enem

VOLTA AO TRABALHO

Após reuniões sindicais, greve dos Correios acaba oficialmente

COMO ASSIM?

Bolsonaro diz que a Amazônia é 'úmida' e 'só pega fogo pelas bordas'

Comentários

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com