Empreendedor Individual passa a ter 40 novas ocupações

Uma nova resolução, aprovada pelo Comitê Gestor do Simples Nacional, ampliou o leque de atividades listadas para adesão ao Empreendedor Individual. A legislação, que entrou em vigor em julho de 2009 para auxiliar empreendedores a saírem da informalidade, passa a ter 40 novas ocupações disponíveis. A Resolução CGSN nº 78 foi encaminhada para publicação no Diário Oficial, republicando o Anexo Único da Resolução CGSN nº 58/2009, e passa a valer a partir de 1º de dezembro de 2010.
No Paraná, mais de 30 mil empreendedores deixaram a informalidade valendo-se da Lei Complementar 128, que instituiu a figura jurídica do Empreendedor Individual. O balanço, divulgado pelo Sebrae/PR com base em dados apurados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), contabilizou o período de um ano, de setembro de 2009, quando o Portal do Empreendedor passou a operar oficialmente no Estado, até setembro de 2010.
Com a nova resolução, podem se formalizar: abatedor de aves; abatedor de aves com comercialização do produto; artesão em cimento; bike propagandista; carroceiro – transporte de carga; carroceiro – transporte de mudança; coletor de resíduos não-perigosos; comerciante de artigos de bebê; comerciante de carvão e lenha; comerciante de cestas de café da manhã; comerciante de inseticidas e raticidas; comerciante de móveis; comerciante de produtos naturais; comerciante de produtos para piscinas; costureira de roupas, sob medida; coveiro; customizador de roupas; Disc Jockey (DJ) ou Vídeo Jockey (VJ); dublador; e editor de vídeo.
Fechando a lista das 40 novas ocupações ainda estão: estampador de peças do vestuário; esteticista; fabricantes de velas, inclusive decorativas; guia de turismo; instalador de antenas de tevê; instalador de equipamentos de segurança domiciliar e empresarial, sem prestação de serviços de vigilância e segurança; instalador de rede de computadores; locador de instrumentos musicais; locutor de mensagens fonadas e ao vivo; mestre de obras; produtor de pedras para construção (não associada à extração); recarregador de cartuchos para equipamentos de informática; reparador de artigos e acessórios do vestuário; reparador de cordas, velames e lonas; reparador de equipamentos esportivos; reparador de equipamentos médico-hospitalares não-eletrônicos; reparador de guarda-chuva e sombrinhas; reparador de móveis; reparador de toldos e persianas; e vendedor de aves vivas, coelhos e outros pequenos animais para alimentação.
Segundo o coordenador de Políticas Públicas do Sebrae/PR, Cesar Rissete, a inclusão de novas atividades tende a aumentar o número de adesões ao Empreendedor Individual, visto que mais empreendedores podem se valer dos benefícios da legislação. “Haverá uma ampliação significativa. Por exemplo, a inclusão da atividade de guia de turismo, considerando cidades turísticas paranaenses, como Paranaguá, Foz do Iguaçu e Curitiba, e, ainda, os preparativos para a Copa do Mundo devem movimentar esse mercado e esperamos uma boa resposta. Outra atividade inclusa foi mestre de obras e os empreendedores devem se beneficiar do momento aquecido que está passando a construção civil”, exemplifica Rissete.

Com assessoria Sebrae

Exclusão

De acordo com a resolução aprovada pelo Comitê Gestor do Simples Nacional, algumas ocupações foram retiradas da lista de atividades permitidas para inscrição como Empreendedor Individual. São elas, boiadeiro/vaqueiro; caçador; colhedor de castanha-do-pará; colhedor de palmito; colhedor de produtos não-madeireiros; lavrador agrícola; pescador em água doce; pescador em água salgada; podador agrícola; produtor de algas e demais plantas aquáticas; reflorestador; e seringueiro. Os empreendedores já inscritos nessas atividades não serão desenquadrados por iniciativa das administrações tributárias.

“A maioria das atividades excluídas era da área agrícola. Verificou-se que, trabalhando com atividades agrícolas, o produtor rural tinha mais benefícios pela legislação vigente do que se aderisse ao Empreendedor Individual. Além da exclusão, por exemplo, de outras atividades como colhedor de castanha-do-pará e colhedor de palmito, atividades que necessitam de maior controle devido ao impacto na natureza”, explica o coordenador de Políticas Públicas do Sebrae/PR.

A lista completa das atividades que podem aderir ao Empreendedor Individual, que reúne mais de 400 ocupações, está disponível no Portal do Empreendedor, no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br.

Formalização

A Lei Complementar 128, que instituiu a figura do Empreendedor Individual, foi instituída para facilitar a formalização de manicures, chaveiros, pintores, artesãos, costureiras, sapateiros, cabeleireiros, entre outros empreendedores, que faturam, no máximo, até R$ 36 mil por ano e podem gerar até um emprego direto.

Quem se formaliza, além dos registros no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ), na Junta Comercial e na Previdência Social, também vai usufruir de vantagens previdenciárias como aposentadoria, auxílio-doença e auxílio-maternidade. Com o CNPJ e a possibilidade de poder emitir nota fiscal, o empreendedor individual tem a oportunidade de conquistar novos clientes e mercados participando, por exemplo, de licitações ou entrar nas chamadas dispensas de licitação.

Podem se formalizar empreendedores da indústria, comércio e serviço – exceto locação de mão de obra e profissões regulamentadas por lei. Os interessados, que pagarão entre R$ 56,10 e R$ 62,10 de tributos, devem ter no máximo um funcionário com renda de até um salário mínimo mensal ou piso da categorial profissional.

Todo o processo de formalização é feito no Portal do Empreendedor, pelo endereço www.portaldoempreendedor.gov.br. É importante que o empreendedor, antes de acessar o Portal, busque informações para ter clareza sobre a natureza do seu empreendimento, pois serão aceitos apenas negócios que não ferem a legislação local.

Para o coordenador de Políticas Públicas do Sebrae/PR, Cesar Rissete, a entrada em vigor do Empreendedor Individual foi um avanço na legislação brasileira. “Os empreendedores paranaenses estão buscando a formalização, o que gera benefícios a curto prazo, como geração de emprego e renda, e, também, influencia o desenvolvimento sustentável dos municípios. A informalidade é prejudicial para os municípios, pois desequilibra a economia. No Sebrae/PR, quem quer se formalizar encontra orientações sobre gestão empresarial e todo o apoio durante o processo”, finaliza Rissete.

Relacionadas

BAIRRO INOVADOR

'Cidade dos Lagos' atrai a atenção de investidores de várias Regiões

NOVO PROGRAMA

Estado lança programa para recuperar economia dos municípios

MODELO

Cilla Tech Park atrai investidores de Cascavel para Guarapuava

Comentários

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com