Feira do Produtor dá salto na qualidade de vida no campo, diz Itacir

São vários projetos que motivam a agricultura familiar, agrega valores e coloca a produção no mercado, inclusive em tempo de pandemia

Feira do Produtor dá salto na qualidade de vida no campo, diz Itacir (Foto: Secom/Prefeitura)

Os programas implantados nas pequenas propriedades rurais estão transformando a vida do agricultor. Desde as melhorias que começam já nas estradas, se estendem dentro do sítio, tanto nas obras físicas quanto na capacitação da família os resultados se mostram satisfatórios.

A venda de produtos da roça com sabor das comidinhas produzidas pela vovó, a partir do cultivo e da agroindustrialização produzem benefícios mútuos. Assim, para oferecer produtos saudáveis, sem a interferência de atravessador, surge a Feira do Produtor.

Itacir visita produtores (Foto: Secom/Prefeitura)

De acordo com o ex-secretário de Agricultura Itacir Vezzaro, o planejamento elaborado conforme as necessidades do produtor e o perfil empreendedor que foi incentivado demandou a criação de feiras na cidade. “Sentimos a necessidade de colocar o produto rural na cidade. Começamos com uma e hoje já são oito em diferentes dias da semana, nos bairros e no Centro”.

Conforme Itacir, se a família da cidade tem a garantia de levar à mesa produtos saudáveis com pitadas de parceria, para o produtor a diferença é sentida no bolso de cada família no final do mês. “Temos produtores que não vendiam nada e que hoje já tiram R$ 2,5 mil por mês”.

Esse é o caso por exemplo, de Leandro Prestes, da Localidade de Morro Grande. Assim como ele, outras famílias têm renda e investem na reforma de casa, compra de máquinas, irrigação, estufas, pagamento contas, troca e compra de veículos, até o pagamento da faculdade dos filhos.

VALOR AGREGADO COM A AGROINDUSTRIALIZAÇÃO

(Foto: Secom/Prefeitura)

O agricultor Clairton Forzi mora na Localidade de Monte Alvão e durante anos só trabalhava com a produção de leite ‘in natura’. Porém, a partir do incentivo ofertado pela Secretaria de Agricultura com qualificação, melhorias na propriedade e, principalmente, com a nova visão para o empreendedorismo, a vida da família mudou e para melhor.

De acordo com Itacir, o agricultor aderiu ao projeto de agroindustrialização e passou a produzir queijo.

A qualidade fez com o produto fosse diferencial no mercado. Hoje a renda do Clairton é de R$ 22,8 mil por  mês.

Conforme Itacir, na Palmeirinha, a agricultora Janice Carneiro também melhorou a renda mensal.

Dos poucos pães que produzia e vendia a vizinhos, a agroindústria de panificação melhorou o ganho que passou de R$ 600 para R$ 2,5 mil mensais. Ela investiu numa máquina de panificação e agregou valor ao produto.

Assim como Clairton e Janice outros agricultores familiares também tiveram um salto na qualidade de vida e se mantêm no campo. Além disso, proporcionam que os jovens também trabalhem na propriedade sem precisar vir em busca de emprego na cidade. Muitos já cursam o ensino superior, porém, continuam vivendo no campo.

De acordo com Itacir Vezzaro, essa parceria surge quando a cidade proporciona geração de renda ao campo. “Tudo feito com muito carinho, dedicação e cuidados com o meio ambiente e com a saúde do consumidor”. Conforme Itacir, hoje a Feira está em oito bairros da cidade, em parceria com as igrejas.

ROTEIRO DAS FEIRAS

(Foto: Secom/Prefeitura)

  • Paróquia Sant’Ana no bairro Santana: às terças das 13h às 18h;
  • Divino Espírito Santo na Vila Bela: às quartas, das 13h às 18h;
  • Paróquia São João Bosco na Vila Carli: às quintas das 13h às 18h;
  • Paróquia Santa Cruz no bairro Santa Cruz: às quintas das 13h às 18h;
  • Espaço do Cidadão no bairro Xarquinho: às sextas das 13h às 18h;
  • Paróquia Santos Anjos no Bonsucesso: aos sábados das 8h às 12h;
  • Rua XV de Novembro no Centro: aos sábados das 8h às 12h;
  • Parque do Lago no Centro: aos domingos das 14h às 18h.

A FEIRA SOLIDÁRIA NASCE NO CUIDADO COM O MEIO AMBIENTE

(Foto: Secom/Prefeitura)

O cuidado com o meio ambiente a partir da educação ambiental é o ponto de partida da Feira Solidária. De acordo com Itacir Vezzaro, ao mesmo tempo em que a reciclagem do lixo contribui, não apenas com os operadores ecológicos, leva comida às famílias em vulnerabilidade social.

“Essa ação permite a reciclagem de muitos materiais sem utilidade trazendo benefícios para todos”. Trata-se da troca do lixo reciclável por alimentos da agricultura familiar. Assim, a cada cinco quilos de lixo descartável, se leva um quilo de alimento fresquinho para casa.

TEM PRODUTO SAUDÁVEL NA MERENDA ESCOLAR

Produtos de Guarapuava na merenda escolar (Foto: Secom/Prefeitura)

Até pouco tempo, quando ainda não existia o ‘Vida Rural’ os alunos da rede pública de ensino consumiam apenas 6% dos alimentos vindos da produção dos agricultores de Guarapuava. O restante era oriundo de outros municípios.

Todavia, com a implantação do Programa em 2013 houve um trabalho para aumentar essa porcentagem. “Em 2018 conseguimos chegar a mais de 60% da alimentação dos alunos com produtos da agricultura familiar de Guarapuava”.

Conforme Itacir Vezzaro, na rede pública estadual a produção dos agricultores guarapuavanos não chegava à escola. “Vinha de outros municípios paranaenses e de outros Estados. Mas também conseguimos incluir a produção guarapuavana na rede estadual. Isso aumentou a renda dos agricultores e garante produtos saudáveis aos alunos”.

MESMO COM A PANDEMIA O PRODUTO CHEGA À MESA

A criação de um site para venda ‘delivery’ também contribui para a colocação dos produtos no mercado, mesmo durante a pandemia. O site Compre do Produtor possui um catálogo de produtos com toda a produção agrícola disponível.

Ao acessar, o consumidor poderá escolher o que deseja comprar, com toda a variedade e qualidade já oferecida nas Feiras do Produtor. Para os clientes fiéis, haverá a oferta de um pacote de compras recorrentes. Ou seja, o consumidor vai pagar uma única vez e receber os produtos de acordo com o pacote escolhido (semanal ou quinzenal). A compra mínima no site será de R$ 20. A entrega é de graça.

RESULTADO SATISFATÓRIO

Itacir Vezzaro (Foto: Secom/Prefeitura)

Para Itacir Vezzaro o trabalho desenvolvido à frente da Secretaria Municipal de Agricultura priorizou um caminho comum entre o meio ambiente e a economia. Entretanto, sem deixar de respeitar o meio ambiente. “Entendo que qualquer ação deve ser justa do ponto de vista social sem deixar de ser economicamente viável”.

Para isso, uma das primeiras medidas foi a melhoria e a ampliação do orçamento da Secretaria de Agricultura. “Passamos de R$ 1 milhão por ano para R$ 3 milhões anuais. Aumentamos também a estrutura de veículos de um para 14, possibilitando a qualidade ao atendimento técnico nas propriedades”.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

ALERTA

Serviço de alerta de ferrugem asiática na soja começa nesta quinta no PR

TEMPO

Apesar da chuva, Paraná ainda enfrenta a maior seca da história

VIDA LONGA À CIÊNCIA

Estudantes de colégio agrícola criam minifoguete para reflorestamento

Comentários