Maioria dos médicos aceita proposta de pagamento do Instituto Virmond

Dívida com os médicos é de R$ 1,6 milhões. Hospital depositará R$ 800 mil como entrada para a quitação

O impasse envolvendo médicos do Instituto Virmond, de Guarapuava, e a diretoria da instituição, chegou ao fim. A maioria dos integrantes do corpo clínico da instituição aceitou a proposta feita pela diretoria do hospital para a quitação, de forma gradativa, dos débitos da instituição com os pagamentos destes profissionais. O aceite da proposta foi divulgado pelos médicos em nota no final da tarde desta segunda feira (30), dia em que acabaria o prazo dado pelo corpo clínico para a regularização dos vencimentos em aberto. No início da tarde de hoje, o hospital veio a público pela primeira vez para falar sobre a crise na instituição (leia aqui).

De acordo com Jarbas Silva, diretor-técnico do Instituto Virmond, os médicos firmaram compromisso verbal com o presidente do hospital, Frederico Eduardo W. Virmond, em reunião realizada no último dia 25. O encontro contou com a presença de colaboradores, empregados e médicos da instituição. Segundo a nota assinada por Jarbas, o hospital se comprometeu a repassar, até esta segunda (30), R$ 800 mil, liberados pela Secretaria de Saúde do Estado do Paraná (SESA), através do Teto Financeiro de Média e Alta Complexidade (MAC). O valor total devido aos médicos, segundo o hospital, é de R$ 1,6 milhões, referente aos meses de fevereiro de 2018 (trabalhado em dezembro de 2017), março de 2018 (referente a janeiro de 2018) e abril de 2018 (referente a fevereiro de 2018).

Ainda de acordo com a nota emitida pelos médicos, o hospital se comprometeu em quitar os débitos pendentes de fevereiro, março e abril, quando for disponibilizado ao Instituto Virmond o financiamento pleiteado pelo Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES). Ainda não há previsão de aprovação deste financiamento, segundo os médicos.

No acordo verbal firmado entre os médicos e a instituição, o hospital se comprometeu, ainda, em realizar os pagamentos mensais devidos ao corpo clínico em seus valores integrais e sem atrasos já a partir de maio.

ÚNICA SAÍDA

A proposta apresentada pelo hospital e referendada pela SESA seria a única possível para o momento, segundo informações apresentadas pelas instituições aos médicos. A proposta inicial do corpo clínico, divulgada em carta no dia 21 de março, era de que todos os valores em aberto deveriam ser quitados até esta segunda (30), o que não aconteceu.

“Deve-se ressaltar que os médicos, mesmo não recebendo seus honorários por alguns meses – o que acarretou inúmeros problemas financeiros-pessoais a cada um – continuaram trabalhando em prol da população de Guarapuava e região, de modo a não agravar a saúde e bem-estar de seus cidadãos”.

O ato de boa-fé dos médicos, no entanto, não foi acatado por todos os membros do corpo clínico. Alguns dos profissionais optaram pelo desligamento e outros pela redução de suas atividades e carga horária. O número de médicos que se desligou do hospital não foi divulgado na nota dos médicos.

“Aproveito para expressar nosso compromisso, como corpo médico, em fazer o que estiver ao nosso alcance para manter a viabilidade da instituição e nos colocamos, mais uma vez, como parceiros do poder público e da administração do Instituto Virmond nesse propósito, ressaltando, tão somente, que eventuais situações de futuras inadimplências poderão ocasionar novamente a manifestação dos médicos para o encerramento de suas atividades de prestação de serviço médico”, finaliza Jarbas.

Relacionadas

ALERTA

Postagem 'fake' anuncia distribuição de cestas básicas em Guarapuava

MAIS CONFIRMAÇÕES

Saúde confirma 31 novos casos de covid-19 em Guarapuava

DROGA

PRF apreende 331kg de maconha em carro com placas de Guarapuava

Comentários