Moradora de Guarapuava afirma que foi agredida pela PM

A moradora de 42 anos diz que sofreu três fraturas no maxilar. Comandante da PM determinou instauração de procedimento administrativo para apurar os fatos

Moradora afirma que foi agredida pela PM. Comandante da PM determinou instauração de procedimento administrativo para apurar os fatos (Foto: Arquivo Pessoal)

A moradora Rose Marcondes Ferreira, de 42 anos, afirma que policiais militares de Guarapuava agrediram ela e sua família, na noite do dia 31 de dezembro. De acordo com Rose, a família escutava música no som do carro do filho. De acordo com informações dela, em determinado momento passou uma viatura da PM ‘bem embalada’. “Achamos até que eles estavam perseguindo alguém, mas nós nem ligamos pois véspera de ano novo todos estávamos curtindo músicas. Tinha [música] em todas a vizinhança, era o fim do ano, dia festivo”.

Entretanto, conforme Rose, a viatura retornou e parou em frente ao portão da casa dela. Rose disse que o marido João Carlos Marcondes Ferreira de 50 anos, foi falar com os policiais e que neste momento um dos PMs disse que iria apreender o som do carro. A mulher disse que o porta-malas do carro do filho só fica aberto com um cabo de vassoura escorando. Ela ainda disse que o filho Carlos Eduardo Marcondes Ferreira de 21 anos, foi tirar o cabo de vassoura para fechar o porta-malas do carro e desligar o som.

AGRESSÃO

Mas de acordo com a mulher, um dos policiais desceu alterado da viatura e agrediu o filho dela. Além disso, ela afirmou que a equipe policial entrou na casa dela a procura de drogas, mas não encontrou drogas nem bebidas. “Eu não bebo, tomo antidepressivos. Um dos PMs quebrou o meu queixo em três lugares. Fiz uma cirurgia para colocar ferro no meu queixo”, afirmou Rose. Além disso, ao Portal RSN, ela disse ainda que após a agressão ao filho, um outro policial deu um soco na boca do seu marido.

Rose fez cirurgia e saiu no sábado (4) do hospital (Foto: Arquivo Pessoal)

“Enquanto dois policiais surravam meu filho eu fui em direção a rua tentar pedir ajuda. Foi quando apareceu esse PM, com uma doze [arma calibre 12] e apontou pra mim. Eu voltei pra trás e ele apontou a doze pro meu filho que estava caído no chão. Sem pensar, me joguei na frente do policial, com medo que ele matasse meu filho. Foi quando ele me deu a cotovelada no rosto que pegou no meu maxilar e acabou quebrando em três lugares”.

Rose afirmou que caiu e desmaiou e ao acordar sentiu que estava com o maxilar quebrado. “Fui pra Upa, e o médico constatou as fraturas e disse que eu precisava fazer uma cirurgia. Fiz o procedimento no hospital São Vicente e saí do hospital dia 4 de janeiro. Mas daqui 30 dias vou fazer outra cirurgia. Quero processar os policiais e o Estado pelo que fizeram comigo e com minha família”.

De acordo com Rose, o marido perdeu dois dentes. E por fim, o filho teve fratura em costela. O comandante do 16º BPM, Maj. Cristiano Cubas, instaurou procedimento administrativo para apurar os fato. (nota na íntegra, no fim da reportagem)

A moradora afirma que precisará fazer nova cirurgia em 30 dias (Foto: Arquivo Pessoal)

VERSÃO DA PM

No dia 1° de janeiro, o Portal RSN publicou reportagem com informações da Polícia Militar, com outra versão. Conforme informações do boletim de ocorrência, durante abordagem a um caso de perturbação de sossego na noite do dia 31 de dezembro, policiais militares foram agredidos por várias pessoas de uma mesma família.

A agressão teria ocorrido no bairro Cascavel, depois que a polícia recebeu a denúncia de perturbação de sossego, devido ao som muito alto. Conforme a PM, um VW Gol Branco estacionado na calçada em frente à residência, estava com o som ligado. Pela perturbação da tranquilidade de vizinhos, a polícia pediu a presença do proprietário da residência.

De acordo com a polícia, foi pedido que o morador reduzisse o volume. Porém, segundo versão da PM, a nora do homem, já embriagada disse que não abaixaria o som, e começou a xingar os policiais. Conforme a polícia, em seguida o seu esposo também começou a desacatar a equipe e recebeu voz de prisão.

Entretanto, o homem saiu correndo no pátio da casa e ao ser contido resistiu à prisão com socos e pontapés. Além disso, conforme a PM, os pais dele também começaram a agredir a equipe e uma das mulheres tentou dar um ‘mata leão’ num dos policiais. Assim, de acordo com o boletim de ocorrência, para se defender, o policial deu uma cotovelada na mulher que acabou caindo.

Porém, segundo os policiais, o marido dela pegou um cabo de vassoura, e entrou em luta corporal com o policial militar, que conseguiu algemar o agressor. Todos foram para a delegacia de polícia civil.

NOTA OFICIAL DA PM

A assessoria de comunicação do 16º Batalhão da Polícia Militar informou em nota:

“Chegou ao conhecimento deste Cmdo sobre a ocorrência onde uma Sra teria sido agredida em uma ocorrência por Policiais pertencentes a Rotam, diante disto, colhemos o Termo de Declaração desta Sra, onde de imediato este Cmdo determinou a Instauração de Procedimento Administrativo para maior apuração dos fatos.

Maj. Cristiano Cubas, Cmt do 16 BPM”.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

EMPREENDIMENTO

Grupo Carrefour compra área para unidade do 'Atacadão' em Guarapuava

ESPORTE E TURISMO

Guarapuava recebe Jogos da Aventura e Natureza em fevereiro

DESENVOLVIMENTO

Construção Civil registra crescimento significativo em Guarapuava

Comentários