Ratinho Jr vai negociar com o governo federal sobre a saúde indígena

Lideranças estão acampadas em frente ao Palácio Iguaçu em Curitiba

Mobilização em frente ao Palácio Iguaçu ( Foto: Geraldo Bubniak/ANPr)

Lideranças indígenas entraram no quarto dia de protestos nesta quinta feira (28). Após tentativas de negociação com o Ministério da Saúde para emperrar a proposta de municipalização da saúde indígena, o dia está sendo de mobilização em frente ao Palácio Iguaçu, sede do Governo do Paraná, em Curitiba. Antes, porém, bloqueios em rodovias marcaram a semana.

São grupos de diversos territórios indígenas das etnias Guarani, Tupi Guarani, Xetá, Caingangue, Pataxó e Xogleng, de diferentes estados, que montaram acampamento na Praça Nossa Senhora da Salete, integrando uma agenda nacional contra a extinção da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), sediada na capital paranaense.

Em busca de uma solução para esse impasse, o Governo do Estado vai elaborar um documento que será entregue em mãos ao governo federal. A questão foi acordada nesta quinta feira (28), em encontro do chefe de Gabinete da Governadoria, Daniel Vilas Bôas, e do secretário de Estado da Comunicação Social e Cultura, Hudson José, com lideranças indígenas.

O Chefe de Gabinete do Governador Ratinho Jr, Daniel Vilas Bôas Rocha e o secretário de Comunicação do Estado, Hudson José estiveram com integrantes da aldeia Tupã Nhe’é Kretã (Foto: Geraldo Bubniak/ANPr)

O documento, assinado pelo governador Carlos Massa Ratinho Júnior, deve ser entregue em Brasília pelo superintendente de Diálogo e Interação Social do Governo do Estado, Mauro Rockenbach.

Além de se comprometer em mediar um diálogo com o governo federal sobre a questão, o governo fez um pedido para que as crianças sejam tiradas do acampamento, levando em conta o clima pouco propício em Curitiba nesta semana.

Vilas Bôas reiterou a intenção do governo estadual de criar uma comissão para tratar dos assuntos que envolvem os povos indígenas, que daria mais representatividade a essas demandas.

“Somos solidários com essa reivindicação, a própria Secretaria da Saúde vê com preocupação a revisão da Sesai. Estamos ouvindo as lideranças e buscando articulação em Brasília, para ver o que pode ser feito pela saúde indígena no Paraná”.

A proposta é que representantes indígenas também contribuam com a elaboração da carta.

ARTICULAÇÃO

Marciano Rodrigues, representante da Terra Indígena Iviporã, em Abatiá (Norte Pioneiro), explicou que está sendo feita uma articulação com lideranças políticas para evitar mudanças na política de saúde indígena, que leva em consideração especificidades culturais dos povos. Eles já participaram de audiências no Ministério Público e na Assembleia Legislativa.

De acordo com ele, municípios e estados também estão preocupados com a extinção da Sesai, já que isso ampliaria os gastos. “Os municípios não estão preparados para receber esta demanda, com consequência maior para os povos indígenas, que terão o atendimento prejudicado”, disse. “É muito importante ver esse entendimento do Estado, isso fortalece bastante. A gente quer que isso se concretize, que tenha essa resposta concreta e oficial”, afirmou.

Relacionadas

JOGO VIRTUAL

Jogo mostra realidade dos entregadores de app durante a pandemia

GRANDES APREENSÕES

PRF faz apreensões que causam R$ 5 milhões de prejuízo ao crime no PR

ÚLTIMOS DIAS

Vacinação contra o sarampo segue até 30 de outubro no Paraná

Comentários