Região de Guarapuava não registra novas suspeitas de febre amarela

Além de enfrentar o desafio de combater o avanço do coronavírus, as secretarias municipais ainda têm outros desafios como a febre amarela em todo o Estado

A Saúde confirma a morte suspeita de 56 animais por febre amarela na Regional (Foto: Arquivo/RSN)

As secretarias estaduais de Saúde têm enfrentado um grande desafio em enfrentar a Covid-19 e ainda a ocorrência de outras epidemias em todo o Estado. O ressurgimento do sarampo, da dengue e ainda os registros de macacos mortos por febre amarela.

A Secretaria Estadual de Saúde do Paraná divulgou novos dados sobre as ocorrências de macacos mortos por febre amarela em todo o Estado. E a 5ª Regional de Saúde, que tem sede em Guarapuava, não registou novas situações. A regional, que tinha 56 notificações de animais mortos no dia 27 de maio, não teve novas situações no boletim divulgado hoje (10).

A cidade com mais notificações na regional é Pitanga, onde 22 macacos foram encontrados mortos. Porém, apenas oito tiveram a causa da morte confirmada por febre amarela. Turvo, por sua vez, também tem números alarmantes. Conforme a Sesa, a cidade já soma 11 macacos mortos pela doença.

A Sesa reitera que os animais não transmitem a doença. Entretanto, são um alerta de que a doença está ativa na Região. Além disso, a Saúde alerta que a população não mate animais por receio de transmissão.

NO ESTADO

Ainda de acordo com os dados da Sesa, pela primeira vez a circulação viral foi registrada na Região de Pato Branco, na cidade de Mangueirinha. Desse modo, o boletim traz dados do início de julho de 2019 até 5 de junho de 2020 e contabiliza nesses meses 298 mortes confirmadas de macacos contaminados pela febre amarela.

O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, explicou que a redução foi em todo o Estado. “Estamos próximos do final do período sazonal e o gráfico sobre as notificações de casos de macacos contaminados pela doença apresenta sinais de redução da curva”.

Porém, a Secretaria orienta os municípios para que promovam a vacinação com o objetivo de atingir o público-alvo, utilizando estratégias de busca ativa pelas pessoas que ainda não foram imunizadas. Desde o ano de 2018 todos os municípios do Estado passaram a ser área de recomendação vacinal contra a febre amarela diante da circulação viral.

“E, mesmo sem a confirmação de casos humanos no período, a recomendação da Secretaria é ainda para que a população busque a vacina contra a febre amarela, na faixa etária entre 9 meses a 59 anos, 11 meses e 29 dias de idade”.

De janeiro a abril deste ano foram vacinadas 29.777 crianças menores de 1 ano. Isso representa 56,65% de cobertura acumulada nestes meses. Para esta avaliação, o Ministério da Saúde considera apenas as doses aplicadas em menores de um ano.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

NEGOCIAÇÃO

Procon expede 'recomendação administrativa' para ensino privado

ACERTO DE CONTAS

Adolescente acusado por furto é ameaçado pelas vítimas em Palmital

AFETANDO A UNIVERSIDADE

Unicentro tem 35% do orçamento de custeio contingenciado

Comentários