Segundo monitor do FGV, PIB cai 8,7% no segundo trimestre de 2020

Quedas na indústria e nos serviços influenciaram a economia do país. Segundo a FGV, a situação da economia permanece muito pior do que a do ano passado

Segundo monitor do FGV, PIB cai 8,7% no segundo trimestre de 2020 (Foto: Reprodução/Agência Brasil)

O Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, caiu 8,7% no segundo trimestre deste ano, em relação ao período imediatamente anterior, na análise da série dessazonalizada. É o que indica o Monitor do PIB, divulgado nessa terça (18) pela Fundação Getulio Vargas. De acordo com o coordenador do Monitor do PIB-FGV, Cláudio Considera, o resultado da economia no segundo trimestre foi “o pior já vivenciado pelo país desde 1980”.

Entretanto, na avaliação mensal, o indicador da atividade econômica do Brasil teve alta de 4,2% em junho, se comparado a maio. Na comparação interanual, a economia recuou 10,5% entre abril em junho e 6,5% em junho.

COVID-19

Para Considera, é inegável que a pandemia da covid-19 trouxe enormes desafios para a economia brasileira, que ainda deve demorar a ter solução. Apesar disso, segundo o coordenador, na análise desagregada dos meses do segundo trimestre, foi possível notar que o pior desempenho foi em abril.

Embora as taxas interanuais de maio e junho ainda estejam muito negativas, já houve melhora dos resultados nesses meses na comparação dessazonalizada. Esses resultados mostram que, embora a economia esteja no segundo trimestre em situação pior em comparação ao anterior, no curto prazo já se observa uma melhora da atividade.

INDÚSTRIA

Além disso, o monitor mostrou ainda que a rápida deterioração do PIB foi influenciada por fortes quedas na indústria de 12,8% e nos serviços, de 8,4%, e, ainda, por praticamente todos os componentes da demanda. A exceção ficou por conta da exportação, que cresceu 1,3% de abril a junho.

Conforme a Agência Brasil, embora a economia brasileira tenha sido diretamente atingida pela pandemia da covid-19 a partir de março, a maior retração contra o período imediatamente anterior ocorreu em abril. Apesar das taxas interanuais ainda mostrarem retrações muito fortes, a economia voltou a crescer nos meses de maio e junho.

Segundo a FGV, a situação da economia permanece muito pior do que a do ano passado. Entretanto, a retração interanual de junho de 6,5% é praticamente a metade do que ocorreu em abril, com o recuo de 12,3%, e em maio, de 12,6%.

*(Com informações da Agência Brasil)

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

NOVA CHANCE

Estudantes podem pedir reaplicação do Enem 2020

NOVA MEDIDA

TSE suspende consequências para quem não votou nas eleições de 2020

TRAGÉDIA

Avião cai e mata parte de equipe de time de futebol em Tocantins

Comentários