Sem conciliação, greve dos Correios continua em Guarapuava e no PR

No TST, a audiência conciliatória desta sexta (11) não gerou acordo. Atualmente, em Guarapuava a adesão da greve é de 66%

Sem conciliação, greve dos Correios continua em Guarapuava e no PR (Foto: Reprodução)

A greve dos Correios, iniciada desde o dia 18 de agosto, continua. Em audiência conciliatória no Tribunal Superior do Trabalho nesta sexta (11), não houve acordo entre os representantes dos trabalhadores e a empresa. Assim, o julgamento está marcado para próximo dia 21 de setembro. A paralisação se deve ao não cumprimento do acordo coletivo de trabalho de 2019. Conforme o TST, esse acordo teria validade por dois anos. Em Guarapuava, atualmente, a adesão dos funcionários é de 66%.

Entre tentativas de acordos, a greve segue sem conciliações há 24 dias. De acordo com Cinthia Alves, jornalista do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Comunicações Postais, Telegráficas e Similares do Paraná, mesmo sem pedir reajustes, a negociação tem sido difícil. “Houve uma tentativa de conciliação no TST. Ela foi solicitada pelo Ministério Público do Trabalho, na qual a ministra Kátia Arruda pediu que a direção dos Correios mantivesse o Acordo Coletivo dos empregados. Assim, vigente até o fim do estado de emergência da covid-19, já que eles não não estão pedindo reajuste. A direção dos Correios se recusou a negociar qualquer pedido e manteve o fim do Acordo Coletivo, retirando 70 cláusulas”.

EM GUARAPUAVA

Conforme Alexander Menezes, funcionário de Guarapuava e da diretoria do SINTCOM-PR, a greve continua justamente pela falta de acordo e benefícios cortados. Entre elas a licença-maternidade de 180 dias, pagamento de adicional noturno. Além do auxílio-creche e indenização por morte. “Os salários dos Correios são os mais baixos de todas as estatais. E ao longo dos últimos 20 anos essa defasagem foi amenizada. E agora, os benefícios que estão sendo cortados. Entre eles, está o auxílio para dependentes portadores de necessidades especiais. Dessa maneira, interrompeu o tratamento de milhares de dependentes nessa condição”.

FUNCIONAMENTO NAS AGÊNCIAS

Quanto ao atendimento e entregas, o sindicato da classe, está orientando o atendimento prioritário. Ou seja, entrega somente de remédios, vacinas, coletas de exames laboratoriais e alimentos. De acordo com Cinthia, os trabalho dos Correios é essencial. “Se os trabalhadores foram considerados essenciais para manter a economia girando e garantir a comodidade das pessoas em casa, na pandemia, o mínimo que se quer, é a garantia de condições para um trabalho digno. E não a redução de direitos e salários, enquanto os Correios aumentam os lucros em mais de 20%. Foram R$ 650 milhões de lucro só no primeiro semestre”.

PRIVATIZAÇÃO

De acordo com Alexander, a possível privatização é prejudicial. “A empresa sem contratações desde 2014, tem gerado uma queda acentuada na qualidade dos serviços prestados à população. Esse fato está sendo usado para colocar a opinião pública a favor da privatização, além de gerar uma série de doenças ocupacionais”.

Além disso, ele acredita que a privatização pode interromper a prestação de serviços em cidades com menos de 200 mil habitantes. É que as empresas privadas não tem interesse e nem condições de atendê-las. “Os Correios atuam como suporte para milhares de operadores logísticos privados. Eles usam a estrutura para conseguirem prestar serviços mais caros que os dos Correios. Também atuamos na regulação das tarifas, pois praticamos preços menores devido à nossa escala. Com a privatização os operadores privados estarão livres para praticar as tarifas que quiserem”.

CONFUSÃO NAS INFORMAÇÕES

Posteriormente, quando a greve já havia avançado, uma liminar foi expedida pela ministra Kátia Arruda a pedido dos Correios. De maneira que os trabalhadores mantivessem 70% de efetivos nas unidades. Porém, a empresa declarou ao TST que a greve já tinha 70% de adesão. Contudo, enviou releases à imprensa, dizendo que a adesão grevista era somente de 16%.

Conforme Cinthia, a Federação dos Trabalhadores entrou com embargos de declaração. Agora a ministra quer que a direção dos Correios comprove qual a verdadeira adesão. “Para o TST a empresa disse uma coisa e para a imprensa disse outra.

Porém,  segundo o sindicato desde o início os funcionários se colocaram à disposição para o diálogo e negociação. “Mas a política do general Floriano Peixoto de inflexibilidade e retirada de direitos não permitiu que chegássemos a um acordo”.

RESPOSTA

Por fim, os Correios, em nota oficial e em um último pronunciamento sobre a greve, se declararam firmes na decisão de romper com o acordo e pensar na economia da empresa.

Desde o início da negociação do Acordo Coletivo de Trabalho 2020/2021, os Correios têm sido transparentes sobre a sua situação econômico-financeira, agravada pela crise mundial causada pela pandemia de Covid-19. Conforme já amplamente divulgado, a empresa não tem mais como suportar as altas despesas, o que significa, dentre outras ações que já estão em andamento, discutir benefícios que foram concedidos em outros momentos e que não condizem com a realidade atual de mercado, assegurando todos os direitos dos empregados previstos na legislação.

Leia outras notícias no Portal RSN.

 

Relacionadas

VOLTA AO TRABALHO

Após reuniões sindicais, greve dos Correios acaba oficialmente

COMO ASSIM?

Bolsonaro diz que a Amazônia é 'úmida' e 'só pega fogo pelas bordas'

NO TRÂNSITO

Hoje inicia a Semana Nacional do Trânsito em todo o país

Comentários

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com