Tempo instável marca início do verão no Paraná, diz Simepar

O verão começou com tempo instável e pancadas de chuva em Guarapuava. Estação mais quente do ano deve ter chuva suficiente após estiagem

Tempo instável marca início do verão no Paraná, diz Simepar (Foto: Gilson Boschiero/RSN)

A estação mais quente do ano finalmente chegou às 7h02 desta segunda (21). O verão terminará às 6h38 de 20 de março de 2021. De acordo com o Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar), a previsão é de chuvas pouco abaixo da média histórica para o período e de recuperação lenta dos níveis dos reservatórios de água no Paraná.

Em Guarapuava, a segunda iniciou com mínima de 18º C e a máxima pode atingir 25º C. O volume de chuva esperado para hoje é de 18,5 milímetros. A semana será de sol entre nuvens. As temperaturas ficam agradáveis no município. Conforme Reinaldo Kneib, meteorologista do Simepar, a previsão para o primeiro dia é de tempo instável, parcialmente nublado com pancadas de chuva em quase todo o Estado.

“Presente na primavera, o fenômeno climático La Niña continuará ativo, com intensidade fraca a moderada, perdendo força no final do verão”. Além disso, uma bolha de água mais quente se forma na Costa Sul do Brasil, Uruguai e Argentina, com tendência a diminuir em fevereiro.

“O cenário climático global indica temperatura média do ar próxima à normal climatológica, porém estão previstos dias consecutivos de altas temperaturas, que podem causar desconforto técnico”.

(Foto: Larissa Ortiz/RSN)

CHUVAS

De acordo com o Simepar, a ocorrência de chuvas ficará entre ligeiramente abaixo e próxima à média climatológica em todas as Regiões, mantendo-se a distribuição espacial e temporal irregular verificada nos últimos meses. São previstos vários dias consecutivos de tempo seco e muito quente.

Conforme o meteorologista, a severidade e a localização das tempestades típicas da estação só podem ser verificadas em curto ou curtíssimo prazo. “Apesar da previsão de chuvas mais frequentes do que as registradas na primavera, o panorama para o primeiro trimestre de 2021 é de recuperação lenta dos níveis dos reservatórios de abastecimento de água no Paraná”.

Historicamente, o verão é a estação mais chuvosa no Paraná. Desse modo, em todas as Regiões são comuns as chuvas intensas, pontuais, de curta duração e com muitos raios, geralmente acompanhadas de vendavais e granizo. As temperaturas mais altas devem ser registradas nas Regiões Oeste, Sudoeste, Norte e Litoral.

(Foto: Leitor RSN)

DESASTRES NATURAIS

Conforme a Agência Estadual de Notícias, durante o verão, a Defesa Civil Estadual estará atenta em tempo integral a situações meteorológicas adversas que possam causar desastres. Conforme o tenente Marcos Vidal da Silva Junior, analistas especializados orientam os coordenadores municipais sobre procedimentos preventivos e de apoio a populações afetadas por eventos climáticos severos.

Além disso, a Defesa Civil Estadual dispõe de materiais e logística para chegar aos locais afetados, garantindo rápido atendimento. Assim sendo, com base nas previsões do Simepar, o Centro Estadual de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cegerd) dispara alertas às prefeituras e à população.

Assim sendo, interessados em receber as mensagens devem enviar por SMS o número do seu CEP para 40199. Mais informações estão disponíveis aqui. A página da Defesa Civil Estadual também dá dicas de como agir para se proteger em caso de alagamentos, deslizamentos ou vendavais, comuns no verão (acesse aqui).

(Foto: Jaelson Lucas/AEN)

AGROMETEOROLOGIA

A pior seca de toda a história paranaense ocorrida neste ano prejudicou a implantação das safras de soja e milho. Em alguns casos, houve a necessidade de replantio e a adequação de cultivares de ciclos mais curtos.

De acordo com a agrometeorologista do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-Paraná), Heverly Morais, a perspectiva de chuvas e temperaturas dentro das médias históricas favorece o desenvolvimento da agricultura neste verão, com boa produtividade, beneficiando a soja, o milho e as frutíferas em geral.

(Foto: Geraldo Bubniak/AENPr)

Por fim, recomenda-se o cuidado intensivo para com as hortaliças, que podem ser afetadas pelas chuvas fortes e temperaturas elevadas. Após a longa estiagem, a produção da massa verde está sendo recuperada.

“A preocupação se volta ao milho safrinha, principal cultura do outono, que teve sua semeadura impactada”.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

NOVA MEDIDA

TSE suspende consequências para quem não votou nas eleições de 2020

TRAGÉDIA

Avião cai e mata parte de equipe de time de futebol em Tocantins

AUMENTOU

Emprego cresceu na indústria em dezembro de 2020

Comentários