Volume de chuva em Guarapuava não foi suficiente, diz Sanepar

Em Guarapuava, mesmo que esteja chovendo, a precipitação média ainda está bem abaixo do índice histórico para o período e é necessário evitar desperdícios

Volume de chuva em Guarapuava não foi suficiente, diz Sanepar (Foto: Larissa Ortiz/RSN)

O volume de água que caiu sobre Guarapuava nesta semana não foi suficiente para amenizar os efeitos da estiagem. De acordo com a Sanepar, na terça (12) o volume foi de apenas dois milímetros, enquanto na quarta foi de 27 milímetros. Porém, o município ainda está com o nível de água bem abaixo da média dos anos seguintes, como avalia a empresa.

Entretanto, a média de cálculo mede a porcentagem da Estação de Tratamento de Água no bairro Santana, não envolvendo Palmeirinha e  outros distritos.

LONGE DE ACABAR

Nos próximos dias, em Guarapuava, a temperatura deve permanecer caindo, mas isso não quer dizer que a chuva dê as caras por aqui. De acordo com o Simepar, só deve voltar a chover na próxima quinta (20) com a precipitação acumulada de 32,1 milímetros. Conforme os meteorologistas do sistema, o volume de chuvas no Estado ficará abaixo da média histórica nos próximos três a seis meses.

Daí a necessidade de economizar água, de fazer uso racional e consciente. Não é momento para lavar carro toda semana, lavar cobertores, cortinas, fazer lavagens pesadas. Não é o momento de usar água tratada para regar jardins, lavar pisos e calçadas.

Embora Guarapuava seja a Região mais afetada pela seca no Paraná, outros municípios também estão sendo atingidos. Conforme a Sanepar, a situação está se agravando. Assim,  desde os primeiros meses do ano os rios e poços sofrem pela pouca vazão de água. As Regiões  que também estão no ranking das mais afetadas são Curitiba e Região Metropolitana, Oeste em Medianeira, Santo Antônio do Sudoeste e Pranchita.

VAZÃO DOS RIOS

A solução encontrada pela Sanepar neste momento é reforçar os abastecimentos das cidades com caminhões-pipa, como na Região Norte do Paraná. Lá, já são 18 sistemas em que a vazão de rios e poços caiu mais de 80%, deixando espaço para uma preocupação cada vez maior. Entre os sistemas estão os municípios de Vale do Ivaí, Vale do Paranapanema e Norte Pioneiro.

Na Região Centro-Sul a situação é igualmente preocupante. De acordo com a Sanepar, não há previsão de chuvas em volume suficiente para os próximos meses. “A previsão do Simepar é de que as chuvas continuarão abaixo da média agora nos meses frios, e a regularização do nível desses mananciais de abastecimento depende de mais volume”.

 

(Foto: Geraldo Bubniak/AEN)

SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA

No dia 7 de maio, o governador Ratinho Júnior decretou que o Paraná está passando por uma emergência hídrica, pelo prazo de 180 dias a partir da assinatura da medida. A estiagem que começou em junho de 2019, tem causado impactos no sistema de abastecimento público de água. O decreto permite oficialmente que as companhias façam rodízios de até 24 horas.

O governador afirma que todo o cuidado pode ajudar nesse momento. “Esse decreto permite ganhar agilidade nas ações por parte do Governo do Estado. Precisamos da consciência de todos para evitar o desperdício. Com todos colaborando, não vai faltar água para ninguém”.

Além disso, a Sanepar também lançou uma campanha para conscientizar os paranaenses sobre o uso racional, dicas para economizar água e reduzir os custos da conta são divulgadas pela empresa.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

SAÚDE

Municípios da 5ª Regional ainda tem casos de sarampo em investigação

IRREGULARIDADES SANITÁRIAS

Ação de fiscalização multa comerciantes e moradores em Guarapuava

VIOLÊNCIA CONTRA MULHER

Governo adere à campanha de combate da violência contra a mulher

Comentários