Abram alas, o “Dead Cowboys” entra na avenida

Motoclube prega a inclusão, a humildade e a igualdade, com vento no rosto e a liberdade da estrada

A produção do Lorenzo (Foto: RSN)

A produção começa dias antes do desfile de 7 de Setembro, tão logo a inscrição seja feita. As lendárias Harley Davidson, se cotidianamente já são zeladas, agora recebem tratamento mais especial ainda. Tudo tem que estar religiosamente perfeito para quando o ronco der o sinal da largada, as atenções sejam somente delas.

“As nossas motocicletas são a extensão do nosso próprio corpo, ou melhor, elas dão vida ao nosso corpo. São os nossos amores e as principais rivais das nossas esposas e namoradas. Se não quiserem perder, se juntem a nós”, sentencia o bacharel em Direito e presidente do Dead Cowboys, Victor Sebastian. Ansiando pela liberdade do vento batendo contra o rosto, pelos desafios da estrada, Luana, Silvana, Charlize e outras mulheres entraram na onda. Elas também tem as suas motos e outras se preparam para adquirir.

Harleiros (Foto: RSN)

O motoclube surgiu da necessidade de aficcionados por Harley se unirem para aventuras pelas estradas. São empresários, advogados, médicos, contabilistas e outros profissionais liberais que se reúnem em jantares, viagens, eventos beneficentes. Aliás, o Dead Cowboys foi declarado como utilidade pública pela Câmara de Vereadores de Guarapuava justamente pelo trabalho social que desenvolve, tendo como foco as crianças e adolescentes dos bairros mais vulneráveis da cidade e do interior. Em datas festivas, como Natal, Dia das Crianças, Páscoa, lá estão ele, os “harleiros” e filhos, fazendo a alegria de outras crianças.

E é a inclusão, o sentido da igualdade, de humildade, a disciplina, presente já no nome do moto clube (Dead Cowboys), com a logo de uma caveira, que rege as normas da entidade. “Pra nós a caveira é o símbolo de tudo, é o fim de todos. Então por que discriminar?” questiona Victor.

Lorenzo e o amigo Robson (Foto: RSN)

E foi em torno do menino Lorenzo, filho de Victor e de Luana, 16 anos, que esta sexta feira do grupo começou. O adolescente, que possui limitações motoras, é considerado o presidente de honra do Dead Cowboys. Dono de uma moto com Syde car, bem ao estilo da II Guerra Mundial, Lorenzo acordou às 5 horas da manhã despertado pela ansiedade em participar do desfile. A produção envolve muitas pessoas e cuidados especiais. A moto adaptada de acordo com as necessidades de Lorenzo abriu o desfile do motoclube, pilotada pelo pai. O menino transbordou a felicidade de estar fazendo uma das coisas que mais gosta, além do futebol (atentem para a logo no colete): andar de moto ao som do bom e velho rock n’ roll.

Lorenzo e Victor (Foto: RSN)

Atrás deles, a legião de “harleiros” do Dead surge na avenida. E onde vai dar tudo isso quando esse compromisso acaba? Numa brasileiríssima feijoada na Cabana do Lago, sede do Dead Cowboys, na Chácara Morada da Lua, no Jordão. É mais uma confraternização desses amantes da liberdade.

 

Relacionadas

CULTURA

Biblioteca Pública lança novas edições de projetos infantis

CULTURA

Oficinas virtuais do MON já alcançaram mais de 165 mil pessoas

CULTURA

Grupos de leitura ajudam a adquirir conhecimento na quarentena

Comentários