Ainda em dúvidas com o presente de Natal? Kit da Tribal Pepper é a dica

Kits especiais para o Natal (Foto: Thomas Ericson)

Aqui vai uma ótima sugestão para quem ainda não comprou o presente de Natal. Um kit criado com dois molhos de pimentas, de 120ml, base de madeira, guia rápido e sacola kratf. A opção une o visual clean com a forma rústica. Os sabores foram elaborados para harmonizar com saladas e pratos natalinos.

De acordo com o empresário Elodir Klein, o kit oferece dois sabores. O Onion possui aroma e sabor bem definidos. “Este molho é feito com cebolas roxas caramelizadas, açafrão e ingredientes selecionados para harmonizar com pratos especiais. O toque gastronômico é focado em sabor”. O BBQ oferecer molho com um sabor inusitado: chocolate. Vai bem com costeletas suínas, aves e churrasco. Combina sabores e aromas com uma leve picância. O barbecue é especial e memorável.

“Nenhum contém glútem, são sem aromatizantes, sem corantes, sem conservantes artificiais, feitos com ingredientes naturais e 100% veganos. Podem ser encontrados naTribal Pepper  que pode ser contatada pelo whatsapp 42 99101.8778 ou e-mail contato@tribalpepper.com.br. Acesse www.tribalpepper.com.br

INSPIRAÇÃO DAS COMIDAS DE RUA DE MUNIQUE – ALEMANHA

O pimenteiro Elodir Klein (Foto: Thomas Ericson)

Em 2016, o pimenteiro Elodir Klein, foi a trabalho para a europa enquanto estava trabalhando em uma agência de comunicação e atraído pela capital do estado alemão da Baviera, conheceu o povo festeiro de Munique. Os pioneiros da München Fest, com as cervejas artesanais Weiss fermentadas em barris de madeira e as comidas de rua com os molhos picantes, são atração singular e inspiração gastronômica para a criação dos molhos de pimenta artesanal da Tribal Pepper. “Cada fórmula foi elaborada para ocasiões culinárias especiais, a picância de cada molho é dosada equilibrando os sabores e aromas para deixar seu prato ainda mais gostoso”, diz Klein.

 FÁBRICA NATIVA DE GUARAPUAVA 

Os vários sabores ofertados (Foto: Thomas Ericson)

O respeito e paixão desde a colheita até a produção são marcas registradas da Tribal Pepper. Há famílias que produzem pimentas orgânicas, sem nenhum agrotóxico. Ingredientes como alho, salsinha e orégano também são produzidos em Guarapuava. O manjericão é importado da Itália e cultivado no pátio da Tribal, isso sem falar da madeira tratada e reflorestada fornecida pela serraria da cidade. “O marceneiro é o artista que cria as caixas e bases de madeira com satisfação. Todo esse carinho, respeito e paixão são inspiração para criar os molhos artesanais Tribal Pepper”, ressalta Elodir.

PRODUÇÃO DE MOLHOS MARCANTES

A fábrica da Tribal Pepper é um refúgio aconchegante e harmônico, ideal para criar os molhos de pimenta artesanal. Todo processo de produção segue um minucioso padrão de qualidade, os molhos são feitos com carinho e cuidado, as pimentas e ingredientes são selecionados à mão para garantir o sabor e aroma únicos. “Atualmente fabricamos 7 molhos de alto padrão de qualidade: A CRISPY, feita em panela de ferro. A italiana GREEN, com manjericão importado e hoje cultivado na horta da fábrica. A SMOKED, defumada durante 4 dias. A CLASSIC, forte e especial para churrasco. A SWEET, feita com maracujá e conhaque. A ONION, criada com açafrão e cebola roxa caramelizada. E a inusitada BBQ com chocolate amargo, combina muito bem com os pratos especiais ”, explica o pimenteiro.

DISTRIBUIÇÃO

A Tribal Pepper iniciou a criação da fábrica em Guarapuava em dezembro de 2016, e lançou as vendas em maio deste ano e distribui seus produtos em vários Estados do Brasil. Seu maior consumidor é o Rio Grande do Sul, seguido por Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e outros, além do Paraná. “No próximo ano a fábrica iniciará o processo de exportação na américa latina e dependendo disso focaremos também na Europa”- relata Elodir Klein. Aqui em Guarapuava os molhos estão disponíveis nas melhores lojas, pubs e barbearias. Já a edição especial de Natal é uma oferta exclusiva para compra pelo site ou direto na fábrica, bairro Trianon, na rua Getúlio Vargas, 781.

 

 

Comentários