Colombiana quer conhecer o mundo com Scooter 125 cc

Depois da América do Sul, meta de Luna é desbravar Europa, Ásia e África

Você seria capaz de largar a família, o trabalho, subir numa moto Scooter, 125 cilindradas, portanto, de pequeno porte, e sair pelo mundo, bem no estilo ‘sem lenço e sem documento’?

(Foto: Arquivo pessoal)

Pois essa foi a decisão tomada pela psicóloga social colombiana Jenifer Luna, 29 anos. Após ter perdido a avó e o pai, ter tido tumores no seio direito e problemas cardiorrespiratórios causados por estresse, Luna não pensou duas vezes. Se desligou do banco onde trabalhava em Bogotá e pensou em fazer um curso em Buenos Aires. Como o valor da passagem de avião estava muito cara, resolveu ir de moto.

“Eu já tinha a ‘tiquitita’, peguei o dinheiro que recebi da rescisão e fui”. Mas a aventura da viagem, as pessoas que foi conhecendo pelo caminho, a levaram para outros rumos. “Na estrada me falaram sobre Ushuaia, na Patagônia Argentina, que o é Fim do Mundo. Passei pela neve, por desertos, sofri com altas e baixas temperaturas, conheci novos amigos e quando cheguei em Buenos Aires não quis ficar”.

(Foto: Arquivo pessoal)

Desde que deixou a Colômbia no dia 18 de março de 2016, Luna já percorreu 80 mil quilômetros, passou quase todas as fronteiras da América do Sul, até chegar em Guarapuava há duas semanas e de onde, nesta sexta feira (11) sairá para Curitiba. Para custear as despesas da viagem como combustível, ela vende bijuterias e souvenirs.

“Já percorri a Colômbia, o Equador, Peru, Bolívia, Argentina, Chile, Uruguai, Paraguai e agora estou no Brasil”. Mas a meta é a Europa, a Ásia e a África. “Vou viajar até ficar bem velhinha, com rugas no rosto e de bengala. Não dá para parar. Vou encontrando muitos pais e irmãos que me auxiliam”.

(Foto: Arquivo pessoal)

Em cada cidade que chega os contatos pelas redes sociais possibilitam que ela conheça “los hermanos”  de motocicleta. São os moto clubes que a recepcionam, a auxiliam no que é preciso numa rede que facilita a vida da motociclista pelo mundo afora.

Em Guarapuava, por exemplo, ela está hospedada na residência do casal Janete e Amaral, que pertencem ao moto clube Rota X de Guarapuava. “Quem nos falou dela foi um parceiro de Cafelândia e fomos recebê-la no pedágio do Candói”, disse Amaral. “Durante duas semanas ela ficou muito à vontade e agora que vai embora o vazio já se apresenta”, diz Janete.

(Foto: Arquivo pessoal)

Em Curitiba a rede de solidariedade já está montada. Ela será recebida pelos companheiros do Rota X. “De lá vou para Florianópolis, Rio do Rastro, Rio Grande do Sul e sigo até o Uruguai, e se Deus quiser vou a países europeus, asiáticos até chegar à África”.

O contato com a mãe e a irmã mais nova é feito pelas redes sociais e desperta o orgulho da família. “Minha mãe diz que quando fala de mim para suas amigas enche o peito de orgulho”.

(Foto: Arquivo pessoal)

Caindo da moto, como já aconteceu no Chile e na Argentina, ou enfrentando outros percalços, Luna diz que a maior lição até agora, é de que a “humanidade é como é. Não se troca a maneira de ser de uma pessoa. O que precisamos é aceitar as diferenças que temos. Isso é o que levamos quando morrermos. O que é material fica tudo, se perde. Isso é o que aprendi no contato que tenho com tantas pessoas por aí afora”.

Relacionadas

PÉ NO PEDAL

Dois guarapuavanos perdidos pelo mundo sobre duas rodas

NA CAPITAL

Para recordar memórias, guarapuavanos promovem reencontro em Curitiba

AMOR AO PRÓXIMO

Prudentópolis: Lar de Idosos faz campanha para arrecadar presentes de Natal

Comentários