Laysa Carolina conquista espaço no mundo cinematográfico

Laysa é mulher trans, ativista, professora, atriz, diretora, roteirista, produtora. A guarapuavana é uma mulher de talento.

Laysa Carolina Machado (Foto: Reprodução/Facebook)

A cada trabalho que faz a atriz guarapuavana Laysa Machado mostra o seu talento. Mulher transexual, descendente de negro e índio, Laysa viveu parte da sua vida na periferia da Colônia Vitória, no distrito de Entre Rios, em Guarapuava.

Trabalhou na Rádio Entre Rios foi embora, se tornou professora e a primeira diretora transexual de um colégio estadual. É atriz, escritora, produtora, roteirista e diretora.

Assim, essa é a história que ela conta num filme autobiográfico que ganha o país. Por conta desse trabalho ela é convidada a fazer palestras. E ela estará em Guarapuava, no próximo dia 19, às 19h30, no Centro Universitário Campo Real.

“Ser mulher onde querem homem, ser descendente de negros e indígenas onde querem Alemanha, ser viva onde querem morta”. É assim que descreve a sinopse do documentário, dirigido e protagonizado por ela mesma.

Filmado em super-8, a diretora Laysa Machado nos confronta com um manifesto sobre o cruzamento de fronteiras e sobre as existências que resistem a uma norma que amaldiçoa e estrangeiriza.

SUPERAÇÃO

Mas o talento e a coragem superam fronteiras, Laysa já produziu e protagonizou o curta-metragem ‘Morada Transitória’. É atriz, produtora e roteirista na websérie ‘Mulheres em Série’. Protagonizou o curta-metragem ‘A Primavera de Fernanda’, de Débora Zanatta e Estevan de La Fuente. Também foi atriz no longa-metragem ‘Hotel Delire’, de Cláudio Bittencourt e Diego Lopez, e na série ‘Contracapa’, de Guto Pasko e Andréia Kaláboa.

“Agora faço um ‘ponta’ no longa ‘Lamento’ “.  O elenco traz Marco Ricca, Thayla Ayala, Veronica Rodrigues, Otávio Linhares, Ilva Niña. “É o único filme brasileiro selecionado para o Festival de Kansas nos Estados Unidos”.

De acordo com a atriz guarapuavana em outra participação, agora no filme Jesus Kids do diretor Ali Muritiba ela contracena com Paulo Miklos, dos Titãs.  Conforme Laysa, no filme Eugênio (Sérgio Marone) é um escritor de livros de faroeste que está passando por uma crise.

O mais novo livro de seu personagem mais famoso, Jesus Kid, está sendo um fracasso de vendas. Porém, quando ele é contratado para escrever o roteiro de um filme, ele parece ter encontrado sua salvação. “Eu faço a atendente de uma lanchonete e é o meu primeiro filme cisgênero”.

Assim, em meio a toda essa agenda que ainda divide sendo professora, Laysa se prepara para o casamento com um empresário de Santa Catarina. Será no próximo sábado (9), em Joinvile (SC).

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

CULTURA E ARTE

Felchak vai abrir inscrições para quem deseja fazer arte

LAZER

MON terá oficina de construção de brinquedos neste domingo

CULTURA PARANAENSE

Férias no Museu Paranaense valorizam povos originários do Paraná

Comentários