Maurício Decker lança livro sobre viagem à Patagônia

Com a bicicleta como a melhor amiga, Maurício decidiu se desapegar dos bens materiais e se jogar em uma viagem de aventura

Com a bicicleta como melhor amiga, Maurício decidiu se desapegar dos bens materiais e se jogar em uma viagem de aventura (Foto: Divulgação)

Aventura, derivada do latim “ad venture”, remete a ousadia, ao inesperado e aquilo que surge pela frente. Ligada à vida humana, mesmo que de forma discreta. A maioria das pessoas gosta de colocar a coragem à prova e participar de grandes desafios. Com isso, podemos dizer então, que o significado da aventura aqui presente está relacionado a realização de sonhos e superação.

Apaixonado por ciclismo e viagens, Maurício Decker decidiu unir dois de seus hobbies. Dessa maneira, foi em uma viagem para a Patagônia, que viveu dias inimagináveis. Os pedais foram seus grandes aliados durante o percurso.

Assim, entre uma pedalada e outra, Decker encontrou santuários como a Reserva de Taim com os jacarés. Então, passou por Cabo Polônio e avistou os lobos-marinhos. Sem esquecer os 500 mil pinguins-de-magalhães em Punta Tombo, na Argentina. Algo que guardará nas lembranças para sempre.

Encantado com o que encontrou pelo caminho Maurício decidiu contar sua história (Foto: Maurício Decker)

Facebike e o Mentiroso de Chubut

Encantado com o que encontrou durante o caminho, Maurício decidiu compartilhar um pouco da história. O livro ‘Facebike e o Mentiroso de Chubut’ é o resultado de uma mistura entre aventura, diversão e mistério. De acordo com o escritor, a ideia de relatar a viagem em uma narrativa surgiu de forma natural.

“Os relatos de viagem são minha leitura preferida. Não poderia deixar de escrever sobre uma experiência tão rica e tão única. Uni o útil ao agradável, que aqui pode ser invertido tranquilamente, viagem com livro, ou livro com viagem. Duas paixões”.

Uma viagem de bike foge totalmente o convencional, aquilo que planejamos comumente. Sendo assim, esse é um dos grandes diferenciais da escrita. Dessa forma, leva o leitor, como em um teletransporte, a entender o que viveu. São encontros, situações engraçadas, acasos e lugares dignos de cartão postal.

 Se fosse escrever tudo, daria um livro imenso, com mais de mil páginas. Então elegi alguns pontos para a narrativa. A primeira edição está praticamente esgotada. O feedback que recebi dos leitores não poderia ser melhor. É gratificante ler as mensagens que recebo de todas as partes do mundo.

O material foi lançado em março de 2019. Agora, é disponibilizado em PDF gratuito, para que as pessoas se divirtam lendo durante a quarentena.

Qual sua história com a Patagônia?

Filho de professores, desde sua infância, Maurício teve contato direto com livros. Sua segunda graduação foi em letras, o que reforça o amor pelas palavras. Em 2007, foi um dos vencedores do Prêmio Off Flip de Literatura.

Maurício busca diversão, aventura e muita história para contar (Foto: Maurício Decker)

Com a chegada da juventude, veio junto a ideia de viajar pegando carona nas estradas. Desse modo, escalar montanhas, andar durante um trecho, qualquer maneira era válida para colocar a coragem à prova. O resultado era, e é sempre o mesmo: diversão e muita história para contar.

Segundo Maurício a ida para a Patagônia já estava sendo sonhada havia algum tempo. Desde os 18 anos, para ser mais precisa. “Em minhas leituras, descobri que havia na Patagônia uma colônia de pinguins que seria a maior fora da Antártida, com cerca de meio milhão deles. Estudando um Atlas do New York Times, descobri que existiam estradas secundárias até lá. Assim, nasceu a ideia”.

Os 500 mil pinguins-de-magalhães em Punta Tombo motivaram a viagem (Foto: Maurício Decker)

Sua trajetória foi marcada pela lembrança dos anos que esperou para estar ali. Dessa forma, o caminhar entre os animais no seu habitat natural, é uma das imagens que o inspirou durante a escrita do material.

O aventureiro já tinha feito outras viagens de bicicleta. Entretanto, essa foi a maior distância percorrida, e a mais emocionante. Ao todo, foram 60 dias entre desertos, paisagens do National Geographic e encontros surpreendentes.

Conforme Maurício viajar de bike é algo único. As pessoas precisam fazer para entender como é a sensação. É como cantou Tim Maia, descobridor dos sete mares, mas aqui podemos trocar o navegar, por pedalar. Eu quero sim!

Por mais clichê que seja, a vida é curta, muito curta, e pretendo aproveitar ao máximo. Pedalar até a maior colônia de pinguins fora da Antártida me pareceu uma boa maneira de casar meus sonhos de juventude. É a junção do que penso, com o que falo, e como costumo agir.

Como adquirir um exemplar?

Para garantir um PDF do livro basta entrar em contato com o Maurício pelo e-mail: maurizio.decker@gmail.com

Você também pode comprar um exemplar na Loja Alta Montanha ou na Livrarias Curitiba.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

CULTURA

Biblioteca Pública lança novas edições de projetos infantis

CULTURA

Oficinas virtuais do MON já alcançaram mais de 165 mil pessoas

CULTURA

Grupos de leitura ajudam a adquirir conhecimento na quarentena

Comentários