No Dia do Orgulho LGBT+ guarapuavanos relatam a importância da data

No dia do Orgulho com a pandemia e a impossibilidade de celebrar junto aos amigos, é hora de relatar o sentimento e aproveitar as lives marcadas

Com a pandemia, é hora de relatar o sentimento e aproveitar as lives marcadas (Foto: Arquivo/RSN)

Em 28 de junho é comemorado o Dia do Orgulho LGBT+ (lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros, entre outras identidades, expressões de gênero e orientações afetivo-sexuais). Normalmente, neste dia são organizados desfiles, manifestações, festas, entre outras coisas que celebram o amor e a igualdade. Entretanto, durante a pandemia, com a impossibilidade de celebrar junto aos amigos, é hora de relatar o sentimento e aproveitar as lives marcadas para este domingo (28).

Em Guarapuava, a Marcha Mundial das Mulheres – Núcleo Guarapuava deixou uma mensagem de apoio e carinho à toda a comunidade LGBT+. “Por um mundo em que toda forma de amar seja respeitada. Que mulheres lésbicas e bis não sejam fetiches para homens. Que mulheres trans vivam com dignidade e sem violência. E, que as expressões de gênero e sexualidade não sejam uma forma de manutenção do capitalismo heterossexual, racista e patriarcal, mas criem novas possibilidades de pensar e construir o mundo”.

(Foto: Divulgação)

O principal objetivo do dia 28 é conscientizar as pessoas sobre a importância do combate à homofobia, a fim de construir uma sociedade livre de discriminação e preconceito de gênero. Nesta data tão especial, o artista guarapuavano Tom Zawa também deixou uma mensagem e homenagem à comunidade.

No texto descreveu um pouco sobre a história do bar em Nova York que foi invadido pela força policial que prendeu drag queens sem um motivo real. “Todo o glamour de hoje nasceu dos paus e pedras que foram jogados na resistência daquele dia. Acho que Marsha P. Johnson e Sylvia Rivera estariam orgulhosas de nós hoje, mas não acho que estariam satisfeitas. Que agora, enquanto sociedade possamos celebrar essa caminhada e lembrar do que foi feito até aqui. Mas que a gente não se esqueça: ainda não é o suficiente”.

O artista David Felchak também deixou uma linda mensagem sobre existir. No texto, fala sobre a dificuldade em enfrentar piadas, xingamentos e violência.

Sair da caverna e ver a luz da liberdade, mesmo com preço alto a se pagar, ainda sim, a luz e a única que nos aquece , mesmo que algumas pessoas insistam em não nos ver, ou mesmo tampar os raios de sol. Estamos aqui, vivos e iluminados para que todos vejam, somos cores! Se Surpreendam, respeitem, protejam, aceitem, entendam e amem! Hoje também é dia daquele que se orgulha em ter algum amigo gay! Salve – nos, nesse, e em todos os dias.

LIVES

Para festejar nada melhor que curtir uma live. Para esta data especial o coletivo Batekoo faz uma live neste domingo (28) a partir das 15h e arrecada doações para a instituição de acolhimento Casa 1. Assim, você pode aproveitar a tarde com aula de dança de pancadão style, talk, DJ set do residente da Batekoo, Fresh prince da Bahia, e show de As Bahias e a Cozinha Mineira. Os interessados podem acompanhar no Youtube.

A primeira edição do Cabaret Pride Show também será neste domingo (28), a partir das 20h. A festa terá duas horas de programação com shows de dez grandes drag queens brasileiras, como Silvetty Montilla, Marcia Pantera e Alexia Twister.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

CULTURA

Biblioteca Pública lança novas edições de projetos infantis

CULTURA

Oficinas virtuais do MON já alcançaram mais de 165 mil pessoas

CULTURA

Grupos de leitura ajudam a adquirir conhecimento na quarentena

Comentários