Alunos de Direito da Campo Real conversam com agressores e vítimas

Círculos organizados pela Campo Real ainda envolvem adolescentes e pais em escolas de Guarapuava

Alunos envolvidos no programa (Foto: Campo Real)

O Centro Universitário Campo Real coloca em funcionamento um programa que existe há cerca de 10 anos no Brasil. É a prática da Justiça Restaurativa que chega em Guarapuava. Por isso, o trabalho envolve acadêmicos de Direito no programa Restaurar, conduzido pelas professoras Juliana Maluf, Viviane Batista e Patricia Melhem Rosas.

A técnica de solução de conflitos prima pela criatividade e sensibilidade na escuta das vítimas e dos ofensores. Os círculos de conversas envolvem autores de violência, vítimas e jovens.

De acordo com a Campo Real, o programa de extensão Justiça em Campo está sediado no Centro de Práticas Restaurativas, no Escritório de Prática Jurídica. Porém, os alunos também vão na comunidade.

Os voluntários fazem círculos com pais de alunos de escolas municipais, refletindo sobre relações familiares e violência contra a mulher. Os mais recentes ocorreram nas escolas Hipolita Nunes Oliveira e Dalila Haenisch Teixeira.

A conversa ainda envolve adolescentes, como foi o caso de turmas do terceiro ano do Colégio Estadual Visconde de Guarapuava. A conversa foi sobre a autoestima, respeito e relacionamentos. De acordo com a professora Merielle Camilo, a cultura da paz é essencial para a construção de um mundo melhor.

Há também círculos envolvendo autores de violência, em convênio com o Tribunal de Justiça do Paraná e encaminhamentos das varas criminais de Guarapuava.

 

Relacionadas

DE 'DAR ÁGUA NA BOCA'

Como já é tradição, hoje (26) tem pastel da Catedral em Guarapuava

NOVA 'EXPLOSÃO'

'Explosão da covid-19': Guarapuava confirma 110 casos e a 30ª morte

NÃO ACABOU

5ª Regional perde posto de menor índice de contaminação do PR

Comentários