Associativista, planejador e empreendedor: o perfil da agricultura em Guarapuava

Em Guarapuava a vida rural ganha novo impulso com ações que foram planejadas a partir de demandas da agricultura familiar, afirma Itacir

Associativista, planejador e empreendedor: o perfil da agricultura em Guarapuava (Foto: Arquivo/Assessoria) 

Projetos que fazem a diferença na vida de milhares de famílias que vivem no Interior de Guarapuava, ajudam a mudar a visão do pequeno produtor que passa a enxergar a propriedade com ferramenta de transformação. Essa política norteia a Secretaria Municipal de Agricultura em Guarapuava desde o início até a atualidade.

De acordo com o ex-secretário municipal de Agricultura e atual vice-prefeito, Itacir Vezzaro, quando assumiu a Secretaria de Agricultura entre 2013 e 2016, o perfil associativista se aliou ao planejador e ao empreendedor. Com base nesse tripé, a busca foi atingir o resultado que promovesse a qualidade de vida no campo.

A minha experiência como extensionista da Emater me mostrou que o primeiro passo seria aprofundar o contato com os pequenos produtores e ouvir as demandas do setor.

Assim, reuniões com produtores e associações resultaram numa conferência municipal, pautada pelo desenvolvimento social, econômico e ambiental.

Ouvir a comunidade foi um dos primeiros atos (Foto: Arquivo/Assessoria)

De acordo com Itacir, uma das prioridades foi a criação de um programa de assistência técnica sistemática e continuada nas propriedades voltada às questões da produção e da gestão.

Cerca de 900 famílias são atendidas. Ou seja: como administrar a propriedade, com estrutura e pessoal; estimular processos de organização dos produtores em cooperativas e associações.

Melhoria nas estradas para garantir o escoamento da produção e o acesso com segurança (Foto: Arquivo/Assessoria)

Conforme Itacir, era preciso promover melhoria nas estradas para que o escoamento da produção com segurança. O acesso à internet, telefonia também surgiram para que a família que vive no campo possa ter comunicação.

SER DONO DA TERRA É FUNDAMENTAL

 Conversas com produtores pautou ações da Agricultura (Foto: Assessoria)

Entretanto, o agricultor familiar tem como uma das principais demandas ser dono da área. Além da segurança de produzir na terra que é dele, o agricultor abre a porteira para linhas de financiamentos. Conforme Itacir, a partir disso a capacitação é fundamental para profissionalizar o pequeno produtor e sua família.

A diversificação da propriedade inclui a produção de ovos caipiras (Foto: Arquivo/Assessoria)

Nesse viés, a conscientização do valor da terra e da capacidade que possui leva ao desejo de diversificar a cadeia produtiva, gerando renda e dando sustentabilidade às propriedades rurais. De acordo com Itacir, a partir das necessidades pontuadas, com uma equipe “escolhida a dedo”, houve um planejamento das ações da Secretaria.

Após levantar as demandas, partimos para o planejamento do trabalho nos vários setores de uma vida no campo. Desde a formação da nossa equipe, os recursos financeiros, os projetos que fossem de encontro às necessidades do produtor.

Assim, os vetores para esse desenvolvimento passam pelo plano de regularização fundiária; acompanhamento técnico a agricultores familiares com parcerias entre o município, estado e união; diversificação; agroindustrialização e comercialização.

As condições de moradia podem ser comparadas com o antes e o depois (Foto: Arquivo/Assessoria)

“Há também uma preocupação com habitação e saneamento rural, por meio de projeto que facilita o acesso ao programa de habitação rural, com a organização em associações, com a agroindustrialização e a colocação dos produtos no mercado. É cadeia produtiva do início ao fim, tendo como meio a melhoria da qualidade de vida do produtor e sua família, também fixando o jovem no campo”.

A qualidade do produto assegura o lugar no mercado (Foto: Arquivo/Assessoria)

Conforme Itacir, o grande desafio é diminuir os custos dos produtos da agricultura familiar e, ao mesmo tempo, manter a qualidade. Daí a importância de fazer o planejamento e o controle de produção, que possa ajudar na redução dos custos, tornando viável a produção e poder disputar o mercado com os produtos industrializados e aumentar a renda dos produtores.

NÚMEROS 

  • Habitação rural: 69 casas construídas num valor de mais de R$ 2.047 milhões aplicados nas obras;
  • Readequação das estradas rurais: manutenção, cascalhamento de mais de cinco mil quilômetros de estradas rurais;
  • Construção de pontes e bueiros:  recuperação de mais de 300 pontes e 450 bueiros em todo o interior do Município;
  • Projeto via consórcio intermunicipal: Guarapuava/Pinhão, Patrulha do Campo:  10 máquinas para readequação de duas estradas desde a Palmeirinha até o Baú com 17 quilômetros e estrada desde o Jordão até a Colônia Vitória com mais 15 quilômetros. Além da readequação das estradas fazendo a integração de lavouras para a prática de manejo e conservação dos solos, águas e estradas.

A VALORIZAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR

A pequena propriedade predomina no município (Foto: Arquivo/Assessoria)

Guarapuava é um município cuja base econômica se destaca também pela potencialidade do agronegócio. Afinal, a Região, entre outras culturas, é a maior produtora de cevada do Paraná, segundo o Departamento de Economia Rural (Deral).

Porém, para se ter uma ideia da importância da agricultura familiar, o município conta com 3.400 propriedades rurais produtivas. Dessas, 2.683, o equivalente a 78%, são de agricultores familiares. De acordo com Itacir, elas são responsáveis por 75% da produção diária dos alimentos que vão para a mesa de milhares de pessoas na cidade.

A parceria da administração municipal é fundamental para o pequeno produtor (Foto: Arquivo/Assessoria)

Conforme o vice-prefeito e ex-secretário de Agricultura, para manter os cultivos é necessária a intervenção da administração municipal. “Para melhorar a produção, renda e qualidade de vida dos pequenos agricultores, ampliamos o quadro de técnicos (14) e parcerias”. Surge então o programa ‘Vida Rural’.

O Vida Rural é um programa que abriga vários projetos, entre estes, o incentivo ao associativismo como ferramenta de fortalecimento do setor.

Hoje, são cerca de 42 associações de produtores rurais, nove assentamentos de reforma agrária. Temos também a comunidade quilombola e outras pequenas comunidades. Além de uma cooperativa.

O PODER DA AGROINDUSTRIALIZAÇÃO

A agroindustrialização ganha o mercado e assegura renda ao produtor e família (Foto: Assessoria)

A família de Clairton Zorzi mora na comunidade de Monte Alvão, no distrito de Guará. Produzindo leite de primeira qualidade, o produtor porém, entregava o produto ‘in natura’, num cenário que não apresentava perspectivas de futuro para os filhos. Assim, o destino anunciado dos jovens seria a cidade.

Entretanto, um pedido de emprego feito por Clairton ao então secretário Itacir Vezzaro, mudou a vida da família; “Ele queria que arrumasse emprego para o filho que iria casar. Concordei imediatamente e pedi que me recebessem com um café preparado apenas com a produção da família”.

Conforme Itacir, a qualidade do leite, do queijo, do pão caseiro, entre outros produtos colocados à mesa, apontava o futuro do jovem casal: permanecer no campo a partir da agroindustrialização.

Fiz duas viagens técnicas levando o pai e o filho. O resultado foi a organização da propriedade, a qualificação da família, e conseguimos financiamento pelo Pronaf. Hoje os produtos estão nos mercados de Guarapuava; a família aumentou a renda e quase não vence produzir para atender a demanda.

Assim como Clairton, outros produtores investem na transformação dos produtos com a agroindustrialização.

NÚMEROS

  • 2 agroindústrias para transformação do leite em queijos coloniais, bebidas lácteas, manteiga;
  • 3 agroindústrias de carnes, para a produção de salames, linguiças coloniais, carne de porco na lata, torresmo, etc;
  • 5 agroindústrias para transformação das frutas em doces, geleias e compotas;
  • 6 agroindústrias para aproveitamento dos produtos da olericultura, com mini processamento de legumes e verduras para aproveitar a produção que não poderá ser comercializado ‘in natura’. Porém, pode ser preparado de forma que o consumidor tenha um produto pronto para ir para a panela de forma rápida, sem desperdício e o agricultor tem uma renda agregada;
  • 7 agroindústrias coletivas e individuais na área de panificação, produzindo pães caseiros, broas, bolachas, cuques, e massas.

Conforme Itacir, o resultado satisfatório garante a continuidade do trabalho na Secretaria. “O nosso trabalho para chegar a esse resultado foi com o conceito de que a agricultura para ser sustentável deve garantir às gerações futuras, a capacidade de suprir as necessidades de produção e qualidade de vida às pessoas e, consequentemente, ao planeta”.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

SABORES DA CASA

Site Compre do Produtor agora também conta com venda de cervejas artesanais

BRUCELOSE E TUBERCULOSE

Adapar indica que 25 animais estão doentes em Guarapuava e PG

MELHORIAS NO CAMPO

Pavimentação em estradas rurais facilita a vida no interior de Goioxim

Comentários

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com