“Bituruneca” é exemplo em Congresso Paranaense de Cidades Digitais

Bituruna cria moeda fictícia para incentivar alunos à cultura empreendedora e tecnológica

Aluna trocando a “Bituruneca” por material escolar (Foto: Ascom)

A educação básica no município de Bituruna ganha novos contornos e prepara os alunos para a cultura empreendedora e de inovação tecnológica. O projeto Empreende Bituruna – Material Escolar, que é desenvolvido no município, é apenas o “pano de fundo” para motivar os estudantes a participar de vários projetos, que vão desde a “compra” de material escolar, lições de como funciona uma agência bancária, até o incentivo à leitura.

Para isso, a administração municipal criou a “Bituruneca”, uma moeda fictícia que dá direito à compra de material escolar. Além disso, o município entrou no circuito das maratonas e lançou o 1° Hackaton Bituruna, uma maratona de programação direcionada para programadores, designers e outros profissionais ligados ao desenvolvimento de projetos tecnológicos. O objetivo é criar um banco virtual para ser utilizado pelos alunos da rede municipal de ensino do 1° ao 2° ano no projeto “Empreende Bituruna”.

Os participantes criarão um projeto de plataforma digital para depósito das “Biturunecas”. São essas iniciativas que deram ao prefeito Claudinei Castilho o espaço para participar do 6º Congresso Paranaense de Cidades Digitais, nesta quinta feira (13) e sexta (14), em Ponta Grossa.

O encontro, que acontece em meios às comemorações dos 195 anos da cidade polo dos Campos Gerais, coloca no centro do planejamento municipal o uso estratégico de tecnologia como motor de desenvolvimento e para melhor prestação dos serviços à população. Bituruna é exemplo.

De acordo com Claudinei Castilho, o projeto Empreender Bituruna nasceu para substituir a distribuição de kits de material escolar.

“Antes eram doados kits de material e pensamos numa maneira mais eficiente e que possibilitasse aprendizado”.

Segundo o prefeito, a partir da criação da “Bituruneca”, cerca de dois mil estudantes recebem entre 20 e 30 “moedas”, que são trocadas por materiais. Mas o projeto evoluiu e neste ano já incentiva a leitura.

“Agora os alunos recebem de acordo com o projeto que participam”. Um exemplo citado pelo prefeito é a leitura.

“Cada livro que é lido vale uma quantia de biturunecas que podem ser acumuladas. No começo do próximo ano, teremos materiais especiais como mochilas, estojos, que podem ser escolhidos por quem já acumulou a moeda. É uma forma de motivar a participação do aluno nos projetos”. Um aplicativo permite o acompanhamento e a participação dos pais nos projetos.

Mas a ideia, que nasceu durante debate entre a Secretaria Municipal de Educação, o gabinete do prefeito e outras secretarias municipais, vai além com a maratona de programação que vai envolver acadêmicos de Guarapuava e Pato Branco, para a programação do aplicativo que vai simular o funcionamento de um banco. Será em outubro e haverá premiação. Os detalhes sobre este evento em específico serão divulgados nos próximos dias pela organização.

Relacionadas

OPORTUNIDADE

Agência do Trabalhador de Guarapuava terá ‘Dia D’ para pessoas com deficiência

Comentários