Demanda no IML de Guarapuava gerou mais de 16h de trabalho em único dia

Instituto Médico Legal de Guarapuava recolheu seis cadáveres nessa quinta (23) e apenas um auxiliar de necrópsia estava na escala

Demanda no IML de Guarapuava gerou mais de 16h de trabalho num único dia (Foto: Arquivo/RSN)

A deficiência de auxiliares de necrópsia e a demanda no Instituto Médico Legal (IML) de Guarapuava ficou evidente, mais uma vez, nessa quinta (23). Dois acidentes na BR-277 com quatro mortos, um óbito na cadeia pública da cidade e um homicídio no município de Laranjal, somaram seis cadáveres.

Assim, o trabalho que começou às 7h da manhã, só acabou às 23h36 quando o último corpo foi liberado à família. O IML de Guarapuava é responsável por 23 municípios, e de todas as funções a mais defasada fica por conta de auxiliar de necrópsia. Além de acumular funções nas unidades dos IMLs do interior, esses profissionais acumulam a função de atendente de necrotério.

De acordo com o IML, além do trabalho físico do exame de necropsia, o auxiliar de necrópsia ainda tem que liberar os cadáveres. Para se ter uma ideia dessa prestação de serviço à sociedade, são esses auxiliares que fazem o exame de necropsia. Ou seja, a abertura, a dissecção e o fechamento de cadáveres, já que médicos legistas, em sua maioria, não tocam nos corpos.

Além disso, outro acúmulo é o de chefia de plantão. Depois disso, vem o atendimento solidário às famílias, a expedição da documentação necessária para a liberação dos corpos, o atendimento às funerárias, entre outros.

FORAM  MAIS DE 16H

De acordo com o IML de Guarapuava, para fazer todo esse trabalho nessa quinta (23) apenas duas pessoas trabalharam. Um deles apenas no setor administrativo. O outro, nos exames cadavéricos e outras funções. Aos finais de semana, apenas um auxiliar atende os casos.

Conforme o Instituto Médico Legal, a equipe possui três auxiliares de necrópsia. Entretanto, a demanda exige o mínimo de quatro. Por isso, a escala de trabalho é dura. Em Guarapuava também trabalham quatro auxiliares de perícia, que são responsáveis pela remoção dos cadáveres. E por fim, seis médicos legistas fazem os exames em pessoas vivas e em cadáveres. A carga horária é de 20 horas semanais.

Além disso, a saúde física e mental dos profissionais auxiliares de necrópsia está comprometida. Eles estão estafados, não recebem acompanhamento psicológico, apesar do setor em que trabalham ser ‘pesado’. Eles convivem com consequências da violência, e com a dor da perda por parte de familiares dos mortos.

Apesar da redução do horário de atendimento (7h às 23h) dar a impressão que há menos trabalho, a realidade é outra. Dividido em três profissionais, a demanda acumula para o dia seguinte. Para se ter uma ideia, em 2019 foram 350 cadáveres liberados depois de serem examinados pelos três auxiliares de necrópsia.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

INDIGNAÇÃO

Em Candói, manifestantes pedem prisão para agressores de animais

LEI ALDIR BLANC

Setor cultural pede socorro para não perder recurso emergencial

PROGRAME-SE

'Trenzinho da Luz' oferece passeio gratuito pela 'Cidade dos Lagos'

Comentários