Pinguins precisam de proteção quando chegam ao litoral do PR

Mais de 30 aves foram registradas no PR em junho e 15 estão em atendimento médico. Se encontrar um pinguim, comunique o órgão competente

Pinguins precisam de proteção quando chegam ao litoral do PR (Foto: Laboratório de Ecologia e Conservação/UFPR)

Todo inverno, o litoral paranaense recebe a visita dos pinguins. O aparecimento já se tornou comum. Mas o Instituto Água e Terra (IAT), vinculado à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, em parceria com o Centro de Estudos do Mar (CEM) da Universidade Federal do Paraná, orienta como deve ser o procedimento, caso alguém encontre essas aves no Litoral.

A principal ação é sempre procurar o atendimento correto de órgãos competentes. Caso as aves estejam em situação muito precária, é preciso dar proteção enquanto não chega o atendimento especializado. De acordo com a Agência Estadual de Notícias, mais de 30 pinguins foram registrados no Estado em junho. Entretanto, a maioria já encalha morta. Atualmente, 15 aves estão em atendimento médico. Elas passam por processo de recuperação até serem devolvidas ao mar.

A espécie que mais aparece na costa paranaense é o Pinguim-de-Magalhães (Spheniscus magellanicus), que se desloca pelas correntes marítimas em busca de alimento, desde as colônias reprodutivas onde vivem, no Centro-Sul da Argentina.

(Foto: Laboratório de Ecologia e Conservação/UFPR)

Muitos chegam debilitados, possivelmente por serem jovens e não se alimentarem adequadamente durante a migração. De acordo com a bióloga Camila Domit, coordenadora do Centro de Reabilitação de fauna marinha na UFPR, o tempo de cuidado varia de dois a 90 dias, dependendo das condições de saúde.

Eles passam por uma série de análises e exames até ficarem aptos a serem devolvidos ao mar. Alguns chegam muito fracos, necessitando de mais cuidados, mas é importante que o trabalho de reabilitação seja feito em no máximo 90 dias para evitar outros problemas que podem surgir pelo excesso de tempo no cativeiro.

Depois de recuperadas, as aves são marcadas e devolvidas ao habitat natural, com licenças do Instituto Água e Terra e do Ibama.

(Foto: Laboratório de Ecologia e Conservação/UFPR)

PROCEDIMENTO

Conforme o Instituto Água e Terra, ao encontrar pinguins no litoral, a pessoa deve procurar um órgão competente para tratar da questão. “É preciso acionar o Centro de Reabilitação de Fauna Marinha da UFPR, que tem toda a estrutura necessária para que eles possam voltar ao mar e retomar a sua rota”.

O Centro também treinou equipes do Corpo de Bombeiros, da Polícia Militar do Paraná, das Guardas Municipais do litoral e das prefeituras para fortalecer a rede de parceria e correto atendimento às ocorrências de fauna marinha.

PROTEÇÃO

Além de acionar imediatamente os órgãos capacitados, a pessoa que encontra um pinguim deve, se possível, isolar a área e proteger a ave marinha de ataque de animais doméstico. Nos casos em que o pinguim se encontra muito debilitado, sem nenhuma reação à aproximação e sem conseguir se mover, é indicado, com cuidado e atenção, enrolá-lo em uma toalha seca e mantê-lo em uma caixa de papelão até o resgate especializado chegar.

“Ao contrário do que em geral as pessoas pensam, os pinguins fogem do frio. É importante mantê-los aquecidos para evitar uma hipotermia”.

(Foto: Laboratório de Ecologia e Conservação/UFPR)

CONTATO

A equipe de resgates do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) da UFPR, atua das 7h às 18h e atende pelos telefones 0800 642 33 41 ou (41) 9 9213-8746. Também é possível acionar as Secretarias Municipais do Meio Ambiente e o Corpo de Bombeiros, que participam da rede de colaboração ao atendimento à encalhe.

O Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) é uma atividade conduzida pelo Ibama. O objetivo é avaliar os possíveis impactos das atividades de produção e escoamento de petróleo sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos, por meio do monitoramento das praias, atendimento veterinário aos animais vivos e necropsia dos animais encontrados mortos.

(Foto: Laboratório de Ecologia e Conservação/UFPR)

Por fim, o PMP-BS atua desde Laguna (SC) até Saquarema (RJ), sendo dividido em 15 trechos. A UFPR monitora o Trecho 6, compreendido entre os municípios de Guaratuba, Matinhos, Pontal do Paraná, Paranaguá (Ilha do Mel) e ilhas de Guaraqueçaba.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

CONSCIÊNCIA AMBIENTAL

Meio ambiente orienta moradores para o descarte correto em lixeiras públicas

AJUDA

Apaes da Região recebem cestas básicas da Secretaria da Justiça do PR

EXEMPLO

Bituruna economiza R$ 800 mil com redução de salários na pandemia

Comentários