Justiça eleitoral proíbe encontro com distribuição de lanche

Reunião com 205 corretores de imóveis seria na noite dessa quinta (1) e contaria com a presença do candidato a prefeito Vitor Hugo Burko

Justiça eleitoral proíbe encontro com distribuição de lanche. Reunião teria a presença de Burko (Foto: Reprodução/Facebook)

O juiz eleitoral Adriano Scussiato Eyng cancelou encontro com cerca de 205 pessoas em Guarapuava. De acordo com a decisão, a reunião agendada pelo candidato a vereador José Losso Neto, feriu a lei eleitoral. Houve a divulgação da distribuição de lanche no encontro político.

De acordo com as informações, as mensagens partiram do celular do candidato a vereador. Assim, o convite exigia a confirmação de presença. Isso para programar a compra do “lanche”. Conforme a legislação eleitoral brasileira, isso configuraria, em tese, crime eleitoral. Entretanto, pouco menos de duas horas antes do início do encontro, uma nova mensagem, cancelou a reunião. “Por motivo de força maior, e por problemas com aglomerações, tivemos que cancelar nossa reunião de hoje”.

Porém, a justificativa da Justiça Eleitoral foi outra. O juiz entendeu que a reunião poderia “eventualmente trazer vantagens aos eleitores” que participassem do encontro. Além disso, o texto afirma que não havia informações sobre como serviriam o “lanche”. A proibição do encontro, conforme o texto da decisão, pretende manter a “lisura do processo eleitoral”.

Ressalte-se, ademais, que foram convidadas, no mínimo, 205 pessoas para participarem, além da possibilidade de levarem acompanhantes, demonstrando-se que se trata de um evento de grande porte e que, além do horário que será realizado, às 19 horas do dia de hoje, há ausência de informações sobre a forma de que será servido tal lanche. Se faz necessária, neste momento, a proibição do ato, diante da necessidade de se manter a lisura do processo eleitoral.

Além disso, há a necessidade de anexar cópia dos contratos de locação do espaço e da empresa responsável pelo fornecimento de alimentação. Essas informações servirão para análise da justiça eleitoral. Por fim, o juiz fixou uma multa no valor de R$ 25 mil reais para cada representado, caso descumprissem as determinações.

Ainda de acordo com o documento, a determinação não impede que a reunião ocorra futuramente. Porém, devem ser apresentadas informações sobre o ato. E não deve ocorrer nenhum tipo de vantagem aos eleitores participantes.

Leia outras notícias no Portal RSN.

 

Relacionadas

AULA INAUGURAL

UniGuairacá dá início às atividades da 2ª turma de mestrado profissional

RECONHECIMENTO

UniGuairacá recebe moção de aplausos por 15 anos de existência

MERCADO EM ALTA

Oportunidades de trabalho para engenheiro civil crescem mesmo durante pandemia

Comentários