Ministro da Previdência fala na Assembléia sobre à formalização de empreendedores

A Lei da Micro e Pequena Empresa que desde o último dia 1° criou a figura do empreendedor individual, deve levar à formalidade aproximadamente 565 mil paranaenses que hoje trabalham por conta própria. Essa é a expectativa do ministro da Previdência, José Pimentel, que participou nesta sexta-feira (3), em Curitiba, do Seminário Previdência Social, promovido na Assembleia Legislativa.

“Estamos percorrendo o Brasil para falar sobre como ficou mais fácil e barato para o trabalhador informal se tornar um empreendedor individual e sobre os benefícios que a formalização traz”, disse o ministro. Segundo Pimentel, o Brasil possui hoje 11 milhões de pessoas trabalhando na informalidade em mais de 170 ocupações das áreas de comércio, indústria e serviços. Entre eles estão o ambulante, a vendedora de cosméticos, o cabeleireiro, a manicure, a esteticista, a costureira, o borracheiro, o artesão, o sapateiro e o mecânico, entre outros.
O Seminário Previdência Social reuniu durante toda a manhã, no Plenário da Alep, dezenas de representantes de classe, empresários, políticos e da sociedade civil. Nelson Justus (DEM), presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, lembrou que eventos como o de hoje, palestras e audiência públicas vêm sendo promovidos com frequência pela Alep. “Nossas portas estão escancaradas para a população. Mais do que falar, queremos ouvir os apelos da sociedade”, disse.
Justus destacou a importância dos dois temas abordados pelo seminário, promovido pela deputada estadual Luciana Rafagnin (PT). Além da formalização dos empreendedores o evento serviu para discutir a aposentaria das donas de casa. Esse tema trouxe também a Curitiba a presidente do PT de Santa Catarina e ex-deputada federal Luci Choinaki, autora de uma Proposta de Emenda Constitucional que garante o direito à aposentadoria das donas de casa de baixa renda.
A PEC n.º 47 foi sancionada pelo presidente Lula, em 2005, mas ainda depende de definições como a idade mínima e valor do benefício para ser regulamentada. O objetivo da proposta é garantir para as donas de casa de baixa renda um salário mínimo aos 60 anos sem necessidade de contribuição, pois se entende que a contribuição dessas trabalhadoras já se dá durante toda vida, realizando trabalho doméstico não pago e não valorizado.

“Estamos aqui hoje para debatermos esse tema e descobrirmos formas que façam com que a lei entre em vigor e traga benefícios para pessoas que estão excluídas na sociedade”, disse Luciana.
Empreendedor Individual – A formalização traz vários benefícios para empreendedor. Segundo o ministro da Previdência, entre elas está a legalização da atividade profissional por meio da obtenção do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) e o acesso a produtos e serviços bancários como pessoa jurídica, o que inclui o crédito com taxas diferenciadas.

Além disso, o empreendedor pode receber apoio técnico do Serviço Nacional de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e obter cobertura da Previdência Social, como acesso à aposentadoria, auxílio-doença, salário-maternidade, pensão por morte ou auxílio-reclusão para a família do segurado.

Pimentel lembrou que para aderir ao chamado MEI, o trabalhador deve ter receita bruta anual de até R$ 36 mil por ano e ter, no máximo, um empregado. Ao se tornar um empreendedor individual, ele ficará isento de quase todos os tributos, pagando apenas R$ 51,15 ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), R$ 1,00 de Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) ou R$ 5,00 de Imposto Sobre Serviços (ISS).
O processo de formalização não custa nada. Para essa formalização e para a primeira declaração anual já está montada uma rede de empresas de contabilidade que farão não cobrarão pelo serviço. A contabilidade formal também está dispensada.
O trabalhador que deseja se tornar um empreendedor individual pode buscar mais informações no site www.portaldoempreendedor.gov.br, pelo telefone do Sebrae 0800-5700800 ou na central de atendimento da Previdência Social, que funciona no número 135.
Participantes – O Seminário Previdência Social contou com a presença dos deputados federais Rodrigo da Rocha Loures e Eduardo Sciarra, vice-presidente da Comissão Especial que discutiu o projeto de lei complementar 128/08 e um dos articuladores para a aprovação da proposta; do diretor-superintendente do Sebrae Paraná, Allan Marcelo de Campos Costa; e do superintendente adjunto da Receita Federal, Reinaldo César Moscato.
Participaram ainda o delegado da Receita Federal Vergílio Concetta; a presidente do PT do Paraná, Gleise Hoffmann; o superintendente da Fundação Getúlio Vargas, Norman de Paula Arruda Filho; o presidente da Fecomércio do Paraná, Darci Piana; o presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas no Estado do Paraná, Valdir Pietrobon.
Dos deputados estaduais participaram Elton Welter, Péricles de Mello, Tadeu Veneri e Professor Lemos. (Adriana Ribeiro/Alep)

Relacionadas

UTILIDADE PÚBLICA

Energisa divulga desligamento programado para Guarapuava

MAIS UMA MORTE

Após 28 dias desde os primeiros sintomas, morre 76º paciente

PROST

Quiosque da Brahma surge repaginado no Shopping 'Cidade dos Lagos'

Comentários