MP se posiciona contra o pedido de suspensão do processo sobre morte de Tatiane

Declaração é resposta a solicitação da defesa de Manvailer, que tenta suspender o processo. Promotores pressionaram, ainda, IML e Instituto de Criminalística, para entrega dos laudos faltantes sobre a morte da guarapuavana

Novos desdobramentos por parte do Ministério Público do Paraná (MP-PR), sobre o caso que investiga a morte da advogada guarapuavana Tatiane Spitzner, vieram à tona no início da tarde desta sexta feira (24). Solicitado pela Justiça, o MP manifestou-se frente ao pedido de suspensão do processo que investiga o fato, ocorrido na madrugada de 22 de julho, em Guarapuava, feito pela defesa do réu Luís Felipe Manvailer.

(Foto: Divulgação/Facebook)

Em documento anexado ao processo, o MP se posiciona contra o pedido de suspensão do processo e rebate os argumentos apontados pela defesa do acusado, durante a solicitação enviada à Justiça. Dentre os principais pontos levantados pela defesa, justificando o pedido de suspensão, está a ausência dos laudos que identificarão, oficialmente, as causas da morte de Tatiane.

Análise:
Um mês após a morte de Tatiane, disputa judicial faz caso ‘patinar’ na Justiça

Para o MP, a espera pelo resultado dos laudos, em nenhuma hipótese, impede o oferecimento da denúncia contra Luís Felipe Manvailer e de torná-lo réu pelos crimes de homicídio qualificado, fraude processual e cárcere privado. Nesse sentido, o MP destacou que as provas colhidas durante o inquérito, como depoimentos de testemunhas, mensagens telefônicas, laudo pericial do local de morte e as imagens do circuito interno do prédio onde o casal residia e onde Tatiane morreu, são suficientes para o oferecimento da denúncia.

“Portanto, tanto as agressões físicas como o arremesso são causas (jurídicas) do homicídio, sendo certo que a indicação através de Laudo de Necropsia ou equivalente da causa médico-forense da morte não é essencial, de forma alguma, para a tipificação do crime ou para que o réu possa se defender de forma ampla e exauriente”, diz trecho do documento.

Luís Felipe Manvailer está preso há 34 dias, na Penitenciária Industrial de Guarapuava (Imagem: Divulgação)

Sobre o pedido de suspensão, o MP se manifesta, ainda, destacando a “ausência de previsão legal para a suspensão do processo”.

Não há recurso legalmente previsto contra decisão que recebe a denúncia, muito menos com efeito suspensivo. Também não há previsão no Código de Processo Penal para suspensão do processo sob o fundamento invocado pela defesa. Os dispositivos que tratam da suspensão por questões prejudiciais, determinam que caberá a suspensão apenas quando houver controvérsia sobre a “existência da infração” (artigos 92 e 93 do Código de Processo Penal). A existência da infração está devidamente comprovada e é imputada a Luís Felipe.

Por fim, o MP notificou, via ofício, o Instituto Médico Legal e o Instituto de Criminalística para que, ambos, apresentem justificativa para a elasticidade do prazo previsto para apresentação dos laudos periciais faltantes, sendo eles os laudos de Anatomopatológico e Necropsia.

Relacionadas

FALECIMENTO

Homem de 33 anos morre por enforcamento e é encontrado pela mulher

COVID-19

Nenhum caso de covid-19 foi confirmado em Guarapuava neste sábado

CAMPANHA

Número de doações de medula óssea cai 30% devido à pandemia

Comentários

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com