MST doa 50 toneladas de comida para famílias de Guarapuava e Pinhão

A entrega será neste sábado (30) com alimentos produzidos em mais de 30 assentamentos, acampamentos, áreas de posseiros e faxinalenses, diz sem-terra

MST doa 50 toneladas de comida para famílias de Guarapuava e Pinhão (Foto: MST)

Famílias que vivem em situação de vulnerabilidade social em Guarapuava e Pinhão receberão alimentos produzidos por mais de 30 comunidades. Essa produção é oriunda de assentamentos e acampamentos do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST), além de áreas de posseiros e povos faxinalenses.

De acordo com o Movimento, a entrega será neste sábado (30). Porém, a logística para a distribuição começou há duas semanas. A coleta dos alimentos será nesta quarta (27) e na sexta (29).

Conforme a coordenação da atividade, serão doados desde o feijão e arroz, até o pinhão e a erva-mate, típicos da cultura do Sul do Brasil. Além de itens como quirera, fubá, farinha de milho, batata-doce, mandioca. E ainda moranga, abóbora, derivados de leite, hortaliças, batata, limão, laranja, banana e sabão caseiro.

ALECRIM

(Foto: Arquivo/RSN)

A comunidade ‘Alecrim’, de Pinhão está entre aquelas que produziram alimentos e que vão fazer a doação. De acordo com um passado recente, a vila de posseiros ficou conhecida no Paraná e no Brasil após a repercussão do despejo repentino ocorrido em 1º de dezembro de 2017.

Naquele dia, máquinas destruíram uma igreja, casas, um posto de saúde, uma padaria comunitária e outras estruturas comunitárias construídas ao longo de 23 anos de ocupação da terra.

(Foto: Reprodução/Youtube)

Integrantes de 20 famílias do local viveram dias de desespero, sem terem tido tempo de tirar os pertences das casas ou de colher a produção da roça. Uma semana depois, fizeram um protesto na rodovia PR-170, em articulação com famílias assentadas. Porém, no dia 14 de dezembro, decidiram voltar a ocupar a área e iniciaram a reconstrução da comunidade. Em fevereiro de 2018, a Justiça determinou a suspensão da reintegração de posse. O Incra manifestou interesse em comprar a área.

Assim como a comunidade ‘Alecrim’, cerca de metade dos 30 mil habitantes de Pinhão vivem em terras tomadas pela família Zattar desde 1940. Desde os anos 1990, o Estado reconhece a existência de conflitos que demandam a regularização fundiária das áreas na Região. Entretanto, a demora na efetivação coloca milhares de famílias em situação de ameaça de despejo.

DOAÇÕES DO MST

(Foto: MST)

O Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) de todo o Brasil está em campanha permanente de solidariedade. Assim, já doou mais de 1.200 toneladas de alimentos. De acordo com o Movimento, no Paraná, 28 acampamentos e 36 assentamentos doaram cerca de 100 toneladas de comida desde o início da pandemia até o dia 21 de maio.

Por fim, também foram produzidas 2.200 marmitas agroecológicas e 400 máscaras de tecido.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA

Assentamentos da Região recebem contratos de concessão de uso

METROPOLITANO

DER seleciona empresa para assumir duas linhas na Região

'PERTO' DA TERRA

Nasa informa que asteroide passa perto da Terra, mas não trará impacto

Comentários

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com