PM registra duas ocorrências de violência doméstica em Guarapuava

Em uma das ocorrências de violência, o agressor ameaçou a ex-mulher de morte com uma faca. E antes de fugir, ateou foco em pertences da vítima

PM registra duas ocorrências de violência doméstica em Guarapuava (Foto: Reprodução/Pixabay)

A Polícia Militar atendeu duas ocorrências de violência doméstica e familiar nesse feriado da sexta-feira santa (10 em Guarapuava. A primeira ocorreu às 15h42 no bairro Primavera. Por volta das 15h42, conforme ligação via 190, havia uma briga entre um casal na avenida Expedicionário Luiz Sávio, e uma mulher teria sido agredida pelo marido.

No endereço, os policiais conversaram com os dois. A mulher de 26 anos, relatou que foi agredida pelo marido de 28 anos, e que a filha foi causou lesões no agressor ao tentar socorrer a mãe. O agressor sofreu lesão na face e no braço.

Ele contou aos policiais que teve uma discussão com a esposa e que entraram em vias de fato. A mulher afirmou ainda que o marido causou danos na casa, quebrou objetos e videos, e jogou comida no chão. Os dois foram levados para a 14ª SDP.

VILA BELA

A segunda ocorrência de violência doméstica foi registrada às 22h na rua Padre Réus, no bairro Vila Bela. No endereço, a moradora de 47 anos relatou à PM que o ex-marido tinha feito uma ameaça de morte com uma faca.

Além disso, a mulher afirmou que ele sempre tenta retirá-la de casa. Conforme a polícia, após a agressão, o homem ateou fogo nos pertences da vítima, sendo necessário o acionamento do Corpo de Bombeiros. O agressor não foi localizado.

REGISTRO ON-LINE

A procuradora da mulher da Assembleia Legislativa do Paraná, a deputada estadual Cristina Silvestri, pediu nessa semana que sejam disponibilizados boletins on-line para registros de ocorrências. Seria para casos de violência doméstica, exceto em casos de violência sexual. A demanda apresentada pela procuradoria foi referendado pela bancada feminina da Casa e, também, por outros parlamentares.

Além da Procuradoria da Assembleia, a Defensoria Pública, o Ministério Público e o Tribunal de Justiça também reforçam a importância da liberação desse modelo de denúncia e confecção de boletins. Conforme a procuradora, o documento está na Secretaria de Segurança Pública do Paraná.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) determinou aos tribunais de todo o país que divulguem os telefones e e-mails de contato para denúncia de casos de violência doméstica. De acordo com o CNJ, por telefone, whatsapp, e-mail ou mesmo presencialmente, é possível denunciar agressões e receber proteção do Estado durante a quarentena.

De acordo com a coordenadora do Movimento Permanente de Combate à Violência Doméstica, conselheira Maria Cristiana Ziouva, é preciso estar alerta. A observação é feita ao Sistema de Justiça e a rede de enfrentamento à violência doméstica, para que, mesmo em isolamento social, saibam agir.

SERVIÇO

Os casos de violência ou assédio, a qualquer hora do dia ou da noite, devem ser comunicados pelo telefone 190. Qualquer pessoa pode fazer a denúncia: a própria mulher, vizinhos, parentes ou quem estiver presenciando, ouvindo ou que tenha conhecimento do fato.

Para os casos não emergenciais, o Disque 180 ou o Disque 100 também recebem denúncias e oferecem orientações. Em todo o país, as casas de abrigo seguem funcionando normalmente embora, em alguns locais, estejam recebendo menos pessoas.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

UTILIDADE PÚBLICA

Procon aciona Ministério Público sobre aumento em contas de água

PPP

Iluminação em Led chega aos bairros de Guarapuava

COMPROMISSO

Cristina Silvestri apresenta nove emendas à LDO do Paraná

Comentários