Revoltados, moradores impedem retirada de cascalho

Pinhão – Os moradores da localidade de Guarapuavinha interditaram uma estrada no ultimo dia 08, impedindo que caminhões da empresa Terraplanagem DJK retirassem cascalho da localidade.
Ângelo Padilha da Silva Neto (Didi), presidente da Associação de Moradores explicou que a empresa estava retirando o cascalho que era levado para a Coamo, e enquanto isso a comunidade sofre com a má conservação das estradas e o uso de um cascalho ruim. “Estão tirando um cascalho bom, enquanto nós temos que sofrer com um cascalho de má qualidade, que a cada chuva vira um lamaçal e impede o transito”, disse ele.
Didi explicou que 80% da comunidade trabalha com a produção de leite e que os caminhões muitas vezes não conseguem fazer a linha. “Não só os caminhões que recolhem o leite, os ônibus do transporte escolar também não conseguem circular. As crianças já ficaram três dias sem poder ir à escola, porque o ônibus encalha”, reclama.
Os moradores disseram que procuraram conversar com o secretário de transporte Króis Sampietro Prestes, mas que nunca foram atendidos. “Fomos diversas vezes, sempre diziam que iam arrumar e nada, ficam só enrolando”, disse o morador Lineu Caldas.
No dia 07, os moradores fotografaram alguns dos trechos mais críticos e protocolaram as fotos junto com um oficio na Secretaria de Transporte avisando que não iam permitir a passagem dos caminhões de cascalho. “Eles com certeza não acreditaram que íamos fazer, mas é só assim pra gente ser ouvido”, disse o presidente.
A cascalheira de onde está sendo retirado o cascalho é da prefeitura, que cedeu o material para a Cooperativa Coamo fazer um pátio. Segundo o secretário de Obras, Osmar Luiz Piva, a Coamo queria que a prefeitura fizesse todo o trabalho. “Como nosso maquinário está todo trabalhando, nós então cedemos o cascalho e eles contrataram uma empresa terceirizada para retirar e fazer o serviço, em contra partida, a DJK nos ajuda com a sua maquina a cascalhar algumas estradas”, disse ele.
Piva, foi até o local, para fazer a negociação no lugar do secretário de Transporte, Króis Sampietro Prestes que estava em Pato Branco. “Como o Króis não estava no município, e não tinha ninguém para vim, eu vim. Conversei com ele, e ele disse que o nós decidirmos aqui, ele assina embaixo”, afirmou Piva.
Os caminhões ficaram parados por cerca de três horas, e os moradores fizeram reclamações e indagações ao secretário. “Vão tirar todo o cascalho bom daqui, para dar pra Coamo, e quando chegar a vez de cascalhar nossas estradas, vão trazer cascalho de outro lugar e pior?”, perguntaram.
Piva explicou que a empresa estava tirando apenas um pouco de cascalho, e que há segundo uma vistoria técnica, muito cascalho bom ainda. “Por causa das chuvas, as estradas estão ruins em muitos lugares, não é só aqui. Mas nós vamos procurar resolver o problema de vocês”, disse ele.
Outras indagações foram feitas. “E o cascalho que vai sobrar, vai ser usado aqui na comunidade, ou doado pra alguma outra empresa? Piva se comprometeu a fazer o cascalhamento das estradas com material de boa qualidade.
Depois de algumas horas de negociação, os moradores desbloquearam a estrada para que os caminhões saíssem. No acordo, a empresa DJK ficou responsável por cascalhar o mais breve possível os trechos mais críticos, e terminar a retirada de mais 20 cargas de cascalho. Depois disso, segundo Piva, a secretaria vai retirar o cascalho para fazer a manutenção das estradas da comunidade. (Fatos do Iguaçu)
Foto: O secretário de Obras, Osmar Luiz Piva substitui o secretário Króis Sampietro Prestes, na negociação com os moradores (Foto:Nara Coelho )

Relacionadas

TRAGÉDIA

Incêndio atinge instituto na Índia que fabrica vacina de Oxford

SOLIDARIEDADE

Bebê precisa de medicamento que custa R$ 12 milhões

ALERTA

Procon alerta sobre perigo de kit 'fake' de vacina contra a covid-19

Comentários