Secretaria da Mulher muda rotina de vítimas de violência em Guarapuava

Há oito anos a Secretaria oferece apoio psicológico, jurídico e social à mulheres vítimas de violência no município

Em 2020, Guarapuava comemora 201 anos. E a Secretaria de Comunicação (Secom) preparou uma série de reportagens sobre o ano. Um dos temas debatidos nesta semana é a violência contra a mulher, que acabou se tornando uma situação recorrente em todo o país. Desta vez, a Secretaria de Políticas Públicas para as Mulhere divulgou histórias de mulheres atendidas. Uma dessas mulheres representa as mais de três mil mulheres, que nos últimos oito anos, encontraram apoio e meios para se libertarem do medo e da violência.

No último relato, a Secom ressaltou que Guarapuava não pareceu um local tão acolhedor para mulheres há 10 anos. De acordo com o relato, era necessário “mudar todos os paradigmas de uma cultura machista e que fechava os olhos para muitas mulheres”. Porém em 2013 o poder público criou uma Secretaria dedicada especialmente pra elas: a secretaria de Políticas Públicas para Mulheres. E como primeira ação a administração já tinha um dever enorme: salvar vidas, pois Guarapuava estava com números altíssimos de feminicídios e era uma das cidades com muitos casos de violência contra a mulher.

Mulheres sempre sofreram com a violência em Guarapuava (Foto: Arquivo/RSN)

SECRETARIA

Uma das mulheres que recebeu apoio da Secretaria, recebeu ajuda de toda equipe sendo encaminhada para a Casa Abrigo, juntamente com as filhas recebeu suporte de psicológico, jurídico e social para reestruturar a vida.

A ajuda que recebeu da equipe foi o empurrão que faltava para recomeçar. Precisou deixar Guarapuava, mas com a indicação dos profissionais conseguiu emprego, ajuda financeira e um novo lar para se estabilizar. A vítima de violência destacou que “com ajuda delas, dessas meninas da Secretaria, eu consegui. Elas deram aquele empurrãozinho e hoje eu tenho uma outra vida, uma vida totalmente diferente da que eu tinha antes, e eu só tenho a agradecer a Deus e a elas, porque só não vê anjo quem não presta atenção nas pessoas que Deus põe na vida da gente, pra nos ajudar”.

Assim, a Secretaria garante o apoio psicológico, jurídico e social, formação e qualificação de mão de obra para estimular a independência financeira e melhorar os canais de denúncia de crimes contra as mulheres. Desse modo, a cultura do medo e da submissão tem sido superada com diálogo e acolhida. Às mulheres que precisam, ganham abrigo aqui ou em qualquer lugar onde se sintam protegidas. Elas, acompanhadas de seus filhos, não são esquecidas, pelo contrário, fazem parte de uma luta constante e transformadora.

Desse modo, a Secretaria contribuiu por uma diminuição gradativa nos índices de violência. Isso porque, uma cidade que sabe do problema, mas que, ao mesmo tempo, consegue enxergar um caminho de mudanças para construir, dia após dia,  uma cidade com mais equidade de gênero.

As mudanças em políticas públicas surgiram com a força de mulheres guarapuavanas, que resolveram lutar por mudanças, como a fundadora da Secretaria da Mulher, Eva Schran.  “Os objetivos da política pública é orientar é ajudar, fazer com que a mulher perceba que ela pode ser senhora dela, que ela pode ser ela, ela ser empoderada, ela se sentir um ser humano como todos os outros, com o poder de decisão sobre a sua vida”.

Leia outras notícias no Portal RSN.

 

Relacionadas

PANDEMIA DA COVID-19

Saúde de Guarapuava confirma 45 novos casos de covid-19

PARALISAÇÃO

Volta às aulas mobiliza sindicato para greve também na Região

TRABALHO POLICIAL

Polícia Civil prende acusado de matar Juliano Palácio de Ramos

Comentários