Sobre laudo de Tatiane, MP se manifesta reafirmando o crime de feminicídio

Em nota, Ministério Público declarou que o resultado confirma a acusação presente na denúncia oferecida contra Manvailer

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) reafirmou, por meio de uma nota, que Luís Felipe Manvailer é o responsável pelo feminicídio de Tatiane Spitzner, que morreu em 22 de julho, após sofrer uma queda da sacada do quarto andar do apartamento onde residia com seu então marido, o professor universitário Luís Felipe, em Guarapuava.

Luís Felipe e Tatiane estavam casados há cinco anos (Foto: Reprodução Facebook)

Na declaração divulgada nesta sexta feira (31), a assessoria do MP se manifestou sobre o laudo pericial de reprodução simulada da queda de nível, realizada pelo Instituto de Criminalística, cujo documento foi anexado ao processo nessa quinta feira (30).

Entenda:
Laudo sobre morte de Tatiane aponta a possibilidade de queda sem impulso

No laudo, peritos sugerem duas possibilidades, delimitando ocorrências distintas. Uma delas refere-se a queda acidental. A segunda, considera abandono de corpo inerte. Para o MP, “a perícia comprova que a versão apresentada pelo acusado, de que a vítima se jogou, não condiz com a realidade dos fatos, sendo tal hipótese descartada pelo laudo pericial”.

Veja ainda:
Em coletiva, promotor afirma que Tatiane Spitzner lutou pela vida

A defesa de Luís Felipe Manvailer, que está preso há mais de 40 dias na Penitenciária Industrial de Guarapuava (PIG), ainda não se manifestou sobre o laudo. O advogado auxiliar de acusação da família de Tatiane Spitzner, Gustavo Britta Scandelari, também não emitiu declaração até o momento.

Abaixo, confira a nota da Promotoria de Justiça de Guarapuava, enviada por meio do MP, na íntegra:

“Em relação ao laudo pericial de reprodução simulada da queda de nível elaborado pelo Instituto de Criminalística, o Ministério Público do Paraná afirma que tal prova técnica apenas confirma o contido na denúncia oferecida, de que o réu Luis Felipe Santos Manvailer jogou a vítima Tatiane Spitzner da sacada do apartamento, cometendo o feminicídio, tal como descrito na peça acusatória. A perícia comprova que a versão apresentada pelo acusado, de que a vítima se jogou, não condiz com a realidade dos fatos, sendo tal hipótese descartada pelo laudo pericial”.

Relacionadas

R$ 667 MIL NA MOCHILA

PRF apreende 120 mil dólares sem origem na BR-277 em Guarapuava

CORONAVÍRUS

Guarapuava registra sete novos casos de covid neste sábado (26)

MEIO AMBIENTE

Audiência pública apresenta sugestões sobre resíduos sólidos dia 30/09

Comentários

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com