Vereador muda o voto e é agredido pelo irmão, em Rio Bonito do Iguaçu

Confusão evidenciou fragilidade política no município

A ausência de vice-prefeito e a tentativa de derrubar o prefeito são pivôs de disputa política entre parte da Câmara de Vereadores e a Prefeitura do município de Rio Bonito do Iguaçu.  O fato mais recente aconteceu nessa segunda feira (10), durante a eleição da nova Mesa Executiva do Legislativo Municipal, quando o vereador Luiz Fernando Moreira (PSC) mudou o voto. “Ele apoiava o prefeito e foi para a oposição possibilitando a derrota situacionista”, disse o também vereador Ozeias de Oliveira ao Portal RSN.

Segundo o vereador, o irmão de Fernando, que era assessor do atual presidente da Câmara, Milton Rodrigues da Silva (PT), agrediu o irmão verbal e fisicamente. Houve trocas de chutes, tapas e empurrões que sobraram até para o presidente, que tentou parar a briga. O caso ganhou repercussão sendo explorado, inclusive, pela mídia estadual durante a semana.

Em nota, Milton Rodrigues da Silva lamentou o fato e disse que o agressor, que era funcionário da Câmara, foi exonerado.

PANO DE FUNDO

O prefeito de Rio Bonito do Iguaçu, Ademir Fagundes, o Gaúcho, disse ao Portal RSN que o município “é muito complicado”. Segundo o prefeito, há muita corrupção, mas assegura que com ele “é bico seco”, analogia que usou para dizer que não cede à possíveis pressões recebidas.

Segundo Gaúcho, como o cargo de vice-prefeito está vago desde que Toni Teles morreu em 2016, numa eventual cassação do prefeito, quem assumiria seria o presidente da Câmara.

Eles (vereadores) tentam me cassar desde que assumi, mas nunca conseguiram. É infantilidade, mas nunca falam comigo a esse respeito. Só mandam recado.

De acordo com o prefeito, como o Legislativo Municipal possui nove vereadores, uma possível cassação necessitaria de seis votos. “É a busca do sexto votos que eles (oposição) buscam”.

Com três vereadores compondo a bancada situacionista – e um deles – Ozeias denominando-se “neutro” -, Fernando deu o quinto voto à bancada de oposição a Gaúcho.

ADMINISTRAÇÃO

Segundo o prefeito, administrar Rio Bonito do Iguaçu é uma tarefa difícil. O município possui o maior assentamento da América Latina, que é o Ireno Alves, com mais de 1,4 mil famílias. Também sedia o maior acampamento de trabalhadores sem-terra, com mais de 1,2 mil famílias.

“Há dois anos não recebemos recursos do Incra e nem do Ministério da Reforma Agrária”. São 4,3 mil quilômetros de estradas rurais e sem “recursos para o óleo diesel”. Segundo o prefeito, o assentamento é um labirinto de estradas.

Com uma população de 11 mil habitantes, segundo o Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 2010, esse número já bem é superior, na cidade e no interior. “Já passa de 20 mil habitantes”.

De acordo com Gaúcho, a saúde é um dos grandes gargalos da administração. “Esse setor é muito precário. Só para ter uma noção há municípios bem menores que recebem a mesma quantidade de remédios que o nosso município”.

Mais da metade do orçamento, que é de R$ 50 milhões, é consumida pela folha de pagamento dos servidores municipais. “A máquina está inchada, mas vamos resolver isso”.

Apesar dessa situação de fragilidade política e administrativa, o prefeito disse que ainda consegue executar obras, adquirir veículos, entre os quais, ambulâncias, vans e ônibus, pavimentar ruas, com recursos estaduais e federais.

A NOTA DA CÂMARA

“A Câmara de Vereadores de Rio Bonito do Iguaçu por seu representante legal abaixo assinado vem esclarecer os fatos ocorridos na noite desta segunda-feira 10, na sessão ordinária n°40.

Em nota o Presidente Milton Rodrigues da Silva lamentou os fatos, na sessão estava em pauta a discussão de vários projetos de leis e também a eleição da nova mesa diretora para o biênio 2019/2020.

As agressões partiram de forma isolada  por parte do irmão do Vereador desta Casa Legislativa, em virtude do descontentamento do resultado final da votação. Informamos que o agressor era funcionário desta casa de leis no qual ocupava o cargo de assessor de gabinete do Presidente, sendo o mesmo imediatamente exonerado do cargo na manhã desta terça-feira 11.

O envolvimento por parte de alguns vereadores no ocorrido foi tão somente para defender a  integridade e restabelecer a ordem dentro da casa.

O Presidente repudiou as agressões, disse que o resultado da eleição foi de forma transparente e democrática, e que não pode haver qualquer interferência na decisão individual de cada Vereador.

Ressaltou dizendo que os vereadores são representantes de toda população de Rio Bonito do Iguaçu e não de grupos políticos isolados, no qual vinham pressionando alguns vereadores através de conchavos sórdidos, tentando obter a qualquer custo seu voto e apoio”.

Relacionadas

MAIS UM NOME DIVULGADO

Celso Góes anuncia o novo titular da Secretaria Executiva

PRIMEIRO ESCALÃO

Rita Felchak é a primeira escolha de Celso Góes para o novo mandato

SUGESTÃO

Deputados pedem suspensão das provas do PSS do magistério

Comentários