Aliel defende manutenção de escolha democrática para reitoria

Parlamentar se posicionou contra MP que dá poder ao Ministro da Educação para designar reitores e pró-reitores de instituições federais sem eleição durante a pandemia

O deputado federal Aliel Machado (PSB), é integrante da Comex (Foto: Ascom)

Os Coordenadores da Comissão Externa de Acompanhamento do Ministério da Educação (Comex/MEC) manifestaram-se nesta quarta (10), contrários ao conteúdo da Medida Provisória nº 979/2020, publicada pelo Governo Federal e que dá poder ao Ministro da Educação MP para designar reitores e pró-reitores temporários em Universidades e Institutos Federais, enquanto durar a pandemia provocada pelo novo coronavírus.

A assessoria de imprensa do deputado federal Aliel Machado (PSB), integrante da Comex e responsável pela coordenação de Ensino Superior, afirmou que o parlamentar entende que a MP afronta o estabelecido pelo Artigo 207 da Constituição Federal, que dispõe sobre a autonomia das universidades.

Consideramos que é fundamental que haja eleição dentro das universidades. É através da escolha democrática que você garante a autonomia da instituição. Sem essa autonomia de cátedra, de pesquisa e sem a liberdade total de utilizar o vasto conhecimento humano, a universidade perde o sentido de ser. 

Desse modo, para o parlamentar, por conta da pandemia, a medida excepcional aceitável e constitucional seria uma eleição remota ou, no máximo, uma prorrogação de mandato por tempo mínimo, até a volta da normalidade. Além disso, Aliel cita como exemplo o caso da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), que tem eleições marcadas para o dia 30 de junho.

“É uma eleição já prevista, com data para acontecer. O atual reitor, o ponta-grossense Luiz Alberto Pilatti, faz um excelente trabalho na instituição e concorre à reeleição. Essa escolha por parte do Ministro da Educação pode colocar em risco o bom trabalho que vem sendo feito. Ou mesmo impedir uma escolha democrática”, alertou ele. 

Por fim, o deputado destaca ainda que, com as condições do Governo Federal, incentivando as atividades remotas e a educação à distância, sabe-se que é plenamente possível se utilizar dessas ferramentas para fazer as eleições. A exemplo do Congresso Nacional, que hoje funciona desta maneira. “Por isso, a pandemia não justifica a não existência de eleições. Há de se garantir essa autonomia através de uma eleição”. 

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

OPORTUNIDADE

Inscrições para 75 mil vagas de cursos da Capes seguem até 24 de julho

LUTO

Morre de covid-19 o ex-deputado Nelson Meurer

RESPONSABILIDADE SOCIAL

Alistamento Militar pode ser feito on-line até 30 de setembro

Comentários