Angra Doce é valorizada como área especial de interesse turístico

Foi sancionada a lei que institui essa condição à Região que abrange a Usina Hidrelétrica de Chavantes, entre o Paraná e São Paulo

Lago da Usina de Chavantes, em Ribeirão Claro (Foto: Arnaldo Alves/AEN)

A Região do reservatório da Usina Hidrelétrica de Chavantes, entre os estados do Paraná e São Paulo, é agora oficialmente uma Área Especial de Interesse Turístico e denominada de Angra Doce. A Lei nº 13.921, que a instituiu, foi sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em dezembro.

Assim, a medida valoriza a Região, o que é um apoio aos cinco municípios paranaenses e os dez paulistas que a integram. Além disso, estimula a priorização de investimentos públicos para o desenvolvimento do turismo, como reformas de estradas, saneamento básico, saúde e obras. Como área de interesse turístico, a Região tem uma maior visibilidade, ampliando a possibilidade de investimentos privados.

“O Paraná possui mil quilômetros de praias de água doce com cenários deslumbrantes. A formalização da região de Angra Doce reforça ainda mais esse potencial turístico, que deve ser explorado com vistas a melhorar a vida da população”, afirma o secretário do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes.

Além disso, a formalização como área de interesse turístico também impulsionará o projeto Angra Doce, que vem sendo desenvolvido pelos governos estaduais do Paraná e de São Paulo. O projeto tem por objetivo promover o desenvolvimento sustentável da Região por meio do turismo, o que garante a conservação dos recursos naturais, fomenta negócios sustentáveis, viabiliza a manutenção da infraestrutura adequada.

PROJETO

Assim, o mapeamento do projeto Angra Doce teve o apoio das universidades da Região e do Programa Cidades do Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU). Além disso, a proposta prevê uma governança envolvendo vários setores dos dois estados, abrangendo governo, universidades e sociedade civil.

A previsão é de investimentos e incentivos aos cinco municípios do Norte Pioneiro paranaense e em dez do Sudeste paulista. Do Paraná são abrangidos Ribeirão Claro, Carlópolis, Jacarezinho, Siqueira Campos e Salto do Itararé. As cidades paulistas são Barão de Antonina, Bernardino de Campos, Canitar, Chavantes. Além de Fartura, Ipaussu, Itaporanga, Piraju, Ourinhos e Timburi. Todos os municípios são banhados pelo reservatório da Usina Hidrelétrica Chavantes, formada pela confluência dos rios Paranapanema e Itararé.

ATRATIVOS

A Região é propícia para a prática de vários esportes, como rafting, canoagem, trekking, asa delta, voo livre, paraglider, parapente, equitação, passeios náuticos e pesca esportiva.

Além disso, também possui cachoeiras, trilhas, praias artificiais e lugares históricos, como a ponte pênsil Alves de Lima, que foi destruída durante a Revolução Constitucionalista de 1932 e reconstruída quatro anos mais tarde.

A Paraná Turismo terá um papel importante na divulgação e em ações para fomentar o turismo da região. “A empresa participará da execução de um plano de desenvolvimento regional, que vise o fomento do turismo”, explica a diretora técnica da Paraná Turismo, Isabella Tioqueta. Ela destaca o potencial da região. “Angra Doce pode se tornar uma Região consolidada e muito procurada, assim como Angra dos Reis, no Rio de Janeiro”, afirma.

O presidente da Paraná Turismo, João Jacob Mehl, cita os planos do Governo do Estado para melhorar a infraestrutura e incentivar novos empreendimentos do setor. A ideia, segundo ele, é desenvolver o turismo como uma opção econômica. “O circuito de água doce é prioritário nessa estratégia”, explica.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

SOLIDARIEDADE

Cantor católico faz live beneficente no sábado (18) em Guarapuava

ALERTA EPIDEMIOLÓGICO

Decreto prorroga manutenção de medidas restritivas até 4 de agosto

ESCOAMENTO DA SAFRA

Estradas rurais de Virmond e Chopinzinho recebem pavimentação poliédrica

Comentários