Angra Doce é valorizada como área especial de interesse turístico

Foi sancionada a lei que institui essa condição à Região que abrange a Usina Hidrelétrica de Chavantes, entre o Paraná e São Paulo

Lago da Usina de Chavantes, em Ribeirão Claro (Foto: Arnaldo Alves/AEN)

A Região do reservatório da Usina Hidrelétrica de Chavantes, entre os estados do Paraná e São Paulo, é agora oficialmente uma Área Especial de Interesse Turístico e denominada de Angra Doce. A Lei nº 13.921, que a instituiu, foi sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em dezembro.

Assim, a medida valoriza a Região, o que é um apoio aos cinco municípios paranaenses e os dez paulistas que a integram. Além disso, estimula a priorização de investimentos públicos para o desenvolvimento do turismo, como reformas de estradas, saneamento básico, saúde e obras. Como área de interesse turístico, a Região tem uma maior visibilidade, ampliando a possibilidade de investimentos privados.

“O Paraná possui mil quilômetros de praias de água doce com cenários deslumbrantes. A formalização da região de Angra Doce reforça ainda mais esse potencial turístico, que deve ser explorado com vistas a melhorar a vida da população”, afirma o secretário do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes.

Além disso, a formalização como área de interesse turístico também impulsionará o projeto Angra Doce, que vem sendo desenvolvido pelos governos estaduais do Paraná e de São Paulo. O projeto tem por objetivo promover o desenvolvimento sustentável da Região por meio do turismo, o que garante a conservação dos recursos naturais, fomenta negócios sustentáveis, viabiliza a manutenção da infraestrutura adequada.

PROJETO

Assim, o mapeamento do projeto Angra Doce teve o apoio das universidades da Região e do Programa Cidades do Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU). Além disso, a proposta prevê uma governança envolvendo vários setores dos dois estados, abrangendo governo, universidades e sociedade civil.

A previsão é de investimentos e incentivos aos cinco municípios do Norte Pioneiro paranaense e em dez do Sudeste paulista. Do Paraná são abrangidos Ribeirão Claro, Carlópolis, Jacarezinho, Siqueira Campos e Salto do Itararé. As cidades paulistas são Barão de Antonina, Bernardino de Campos, Canitar, Chavantes. Além de Fartura, Ipaussu, Itaporanga, Piraju, Ourinhos e Timburi. Todos os municípios são banhados pelo reservatório da Usina Hidrelétrica Chavantes, formada pela confluência dos rios Paranapanema e Itararé.

ATRATIVOS

A Região é propícia para a prática de vários esportes, como rafting, canoagem, trekking, asa delta, voo livre, paraglider, parapente, equitação, passeios náuticos e pesca esportiva.

Além disso, também possui cachoeiras, trilhas, praias artificiais e lugares históricos, como a ponte pênsil Alves de Lima, que foi destruída durante a Revolução Constitucionalista de 1932 e reconstruída quatro anos mais tarde.

A Paraná Turismo terá um papel importante na divulgação e em ações para fomentar o turismo da região. “A empresa participará da execução de um plano de desenvolvimento regional, que vise o fomento do turismo”, explica a diretora técnica da Paraná Turismo, Isabella Tioqueta. Ela destaca o potencial da região. “Angra Doce pode se tornar uma Região consolidada e muito procurada, assim como Angra dos Reis, no Rio de Janeiro”, afirma.

O presidente da Paraná Turismo, João Jacob Mehl, cita os planos do Governo do Estado para melhorar a infraestrutura e incentivar novos empreendimentos do setor. A ideia, segundo ele, é desenvolver o turismo como uma opção econômica. “O circuito de água doce é prioritário nessa estratégia”, explica.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

DIA DA PADROEIRA

Inscrições para a Corrida da Padroeira se encerram amanhã (23)

ESPORTE E TURISMO

Guarapuava recebe Jogos da Aventura e Natureza em fevereiro

MULTA DE R$ 617 MIL

Polícia Ambiental autua dono de área por destruição de vegetação nativa

Comentários