Assembléia do PR deve permitir que deputado seja processado, diz especialista

Guarapuava – Para constitucionalista, Congresso deve aprovar emenda para que extensão da imunidade parlamentar seja revista
A Assembléia Legislativa do Paraná deve retirar a imunidade parlamentar do deputado estadual Fernando Ribas Carli Filho, permitindo que ele seja processado criminalmente sob a acusação de provocar a morte de duas pessoas quando dirigia embriagado e com a carteira de habilitação cassada. A opinião é do especialista em Direito Constitucional Pedro Estevam Serrano, professor da PUC-SP.
Serrano diz que esse é o único obstáculo que pode impedir a abertura de um processo criminal contra o deputado. “A Assembléia estaria demonstrando comportamento democrático e republicano se removesse esse obstáculo”, afirma.
O professor avalia que o caso deve levar à revisão do instituto da imunidade parlamentar, criado com o objetivo de preservar o direito de expressão e livre exercício da opinião.
“Impedir prisão em flagrante, como ocorre hoje na legislação, é um equívoco. Os parlamentares não podem ser tratados com privilégio em relação à cidadania. A realidade hoje é muito mais a de haver um corporativismo, com abuso da imunidade parlamentar, do que a imunidade preservar a liberdade de opinião. Não tenho dúvida de que precisamos revisar o instituto, na extensão em que ele está, que é absolutamente contrária aos valores democráticos e republicano que vivenciamos hoje”, argumenta.

Nova legislação
O constitucionalista defende que o Congresso Nacional aprove uma emenda para que a imunidade seja aplicada apenas com o objetivo de evitar perseguições políticas. Para Serrano, a imunidade deve ser mantida em relação às condutas de opinião, manifestadas em votos no interior do Legislativo e também na mídia. Assim, a extinção da imunidade ocorreria apenas para os crimes comuns, remanescendo ao juiz a possibilidade de trancamento do processo.
“Na minha opinião, o Legislativo deve aprovar uma emenda constitucional para que o juiz possa trancar o andamento do processo se perceber a existência de alguma perseguição contra o parlamentar. Caberia ao juiz a prerrogativa de suspender o processo. Mas o processo teria andamento comum, só em hipótese excepcional, a critério do juiz, poderia ser paralisado”, afirma.

Relacionadas

AGORA FOI

Bolsonaro anuncia Milton Ribeiro como novo ministro da Educação

DESENVOLVIMENTO

Novo contorno rodoviário consolida Pato Branco como polo do Sudoeste

MOBILIZAÇÃO

Campanha nacional "Fora, Bolsonaro" tem início nesta sexta (10)

Comentários