Aulas de educação ambiental reacendem discussão sobre CTR na Palmeirinha

Implantação da Central de Tratamento de Resíduos começou há três anos. Projeto encontra resistência de moradores

Local que receberá a CTR, no distrito de Palmeirinha (Foto: Divulgação)

A comunidade do distrito de Palmeirinha está participando de aulas de educação ambiental, uma das exigências para a implantação da Central de Tratamento de Resíduos (CTR) no distrito de Guarapuava. As aulas estão sendo dadas por técnicos de uma empresa de Curitiba e, nesta quarta feira (11), estão acontecendo desde às 10h30, no Colégio Estadual de Campo da Palmeirinha, seguindo até às 18h30. Nesta quinta (12), às 10h, haverá oficina envolvendo a Cooperativa de Catadores de Resíduos.

A implantação da CTR passa por um processo que começou há três anos. O projeto, porém, encontra resistência em parte dos moradores do distrito, que prometem novas mobilizações, incluído provocações junto ao Ministério Público.

Ações estão sendo realizadas no Colégio Estadual de Campo da Palmeirinha (Foto: Divulgação)

De acordo com Matheus entretanto, todas as etapas para a implantação da central já foram cumpridas, como o monitoramento da qualidade da água, erosão, fauna e flora, de ruídos, da água subterrânea, patrimonial, de emissões atmosféricas, levantamento arqueológico, entre outros. Uma audiência pública envolvendo a comunidade e órgãos ambientais e judiciários também já foi realizada. Na ocasião, o empresário Osmar Kloster, dono da CTR, disse que a empresa vai gerar 60 empregos diretos e que a empresa obedece todas as normas ambientais e sanitárias.

“Já contratamos um arqueólogo que vai acompanhar as obras e só dependemos do IPHAN [Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional] para o início da obra”, disse Matheus. O Portal RSN tentou contato com a coordenadora de Projetos do IPHAN, Ana Finger, porém, sem retorno.

A implantação da CTR pela empresa Eficiência Ambiental, de Guarapuava será na PR-466, a 10 quilômetros de Guarapuava, no sentido ao distrito de Palmeirinha. Será o lugar onde todos os tipos de resíduos encontrarão uma destinação final ambientalmente adequada.

Atualmente, tanto grandes indústrias como pequenas e microempresas precisam contratar uma empresa de fora para transportar esse lixo, o que onera os custos e acaba por gerar divisas para outros municípios.

Alunos em oficina (Foto: Divulgação)

Relacionadas

RFORMULAÇÃO

Guarapuava já conta com oito profissionais do Mais Médicos

SAÚDE

Secretaria de Saúde de Guarapuava orienta agentes de saúde sobre câncer de pele

RESULTADO PARCIAL

CIS Centro-Oeste divulga as notas da prova escrita do PSS

Comentários