Beto Richa defende definição de candidato do PSDB

Curitiba – O prefeito Beto Richa, de Curitiba, defende que a reunião da Executiva Estadual do PSDB, marcada para o dia 18, aponte indicativos para a definição do candidato do partido ao Governo do Paraná nas eleições 2010. “Inicialmente, achei que talvez pudesse postergar um pouco, mas fui convencido por argumentos muito objetivos. Um deles é que a definição de um nome vai ajudar na busca por alianças”, afirmou Richa, pré-candidato a governador. Em agosto de 2009, em reunião com a Executiva Nacional do PSDB, foi firmado acordo entre as lideranças do partido no Estado para definir em janeiro deste ano o candidato tucano ao Governo do Paraná.
Richa diz ainda que vai acatar a decisão do PSDB. “Vou à reunião consciente que a vontade do partido deve prevalecer sobre quaisquer ambições pessoais”, ressaltou.
A reunião da Executiva Estadual foi convocada pelo presidente estadual do PSDB, deputado estadual Valdir Rossoni, e pelo secretário-geral da legenda, deputado federal Affonso Camargo. “Temos pressa, pois precisamos iniciar a construção de alianças. A escolha do nosso candidato tem que ser feita o quanto antes porque os partidos aliados exigem essa decisão”, explicou o presidente do PSDB Paraná. A reunião do dia 18 servirá para a convocação do Diretório Estadual, responsável pela escolha do candidato.
Rossoni garantiu que a Executiva vai considerar o acordo firmado em setembro de 2009, no qual a definição do candidato do PSDB a governador sairá de pesquisas de intenção de voto realizadas junto ao eleitor paranaense. “Vamos considerar ainda a opinião das lideranças, a rejeição de cada candidato, a possibilidade de crescimento e a capacidade de agregar aliados”, completou.

PESQUISAS
De acordo com Rossoni, as pesquisas divulgadas no final do ano passado servirão de parâmetro na reunião da Executiva Estadual. A pesquisa estimulada Datafolha, divulgada no dia 23 de dezembro, mostrou o prefeito Beto Richa na frente nas intenções de voto. Richa tem 40%, seguido do senador Osmar Dias (PDT), com 38%; do vice-governador Orlando Pessuti (PMDB), com 4%; e Lygia Pupatto (PT) e Melo Viana (PV), ambos com 1%. Brancos e nulos são 6% e não sabem, 9%. Na espontânea, em que os nomes dos candidatos não são apresentados, Richa registrou 11%, seguido de Requião com 7%, Osmar Dias com 6%, Álvaro Dias com 3% e Orlando Pessuti com 1%.
Num segundo cenário da pesquisa estimulada, sem o prefeito Beto Richa, a liderança é de Osmar Dias, com 42% das intenções de voto, seguido de Álvaro Dias, 28%; Orlando Pessuti, 5%; Nedson Michelleti e Melo Viana, ambos com 1%; votos em branco e nulos somam 10% e não sabem, 13%. A pesquisa foi feita de 14 a 18 de dezembro, com 1.021 paranaenses. A margem de erro é de 3%.

MAIS PESQUISAS
Outro levantamento, do Instituto Paraná Pesquisas divulgado dia 26 de dezembro, confirmou a liderança do prefeito de Curitiba na corrida para o Governo do Estado. Dos 1.830 entrevistados, 43,1% disseram ter intenção de votar em Beto Richa nas eleições de 2010. Em segundo vem o senador Osmar Dias (PDT), com 38,1% das intenções de voto.
A pesquisa foi feita de 16 a 21 de dezembro, em 65 municípios paranaenses. A margem de erro é de 2,5%. O vice-governador Orlando Pessuti (PMDB) aparece em terceiro, com 5,6%. Nedson Micheleti (PT) tem 1,3%; Lineu Tomass (PSC), 0,4%; e Melo Viana (PV), 0,3%. Os que não sabem o voto são 6,1% e não votariam em nenhum 5%.
No segundo cenário da pesquisa – sem o prefeito de Curitiba, o senador Álvaro Dias (PSDB) tem 40,1%; Osmar Dias, 35%; Pessuti, 7,9%; Micheleti, 1,4%; Viana, 0,7%; Tomass, 0,5%; não sabem, 7,5%; e nenhum, 7,1%.
Beto Richa também lidera na pesquisa espontânea, com 9,8%; Osmar, 5,5%; Requião, 5%; Alvaro, 4,2%; e Pessuti, 1%. Osmar Dias e Beto Richa têm a menor rejeição, de 8,9% e 9,1%, respectivamente. A rejeição de Álvaro Dias é de 15,3%.

Relacionadas

PARALISAÇÃO

Volta às aulas mobiliza sindicato para greve também na Região

VACINA DA COVID-19

Aliel cobra explicações sobre quantidade de vacinas destinadas ao PR

NOVA MEDIDA

TSE suspende consequências para quem não votou nas eleições de 2020

Comentários