Chefe Regional do IAP rejeita novo local para edificação da 2º ponte

Guarapuava – Apontado na 4º Conferência das Cidades, realizada no fim de 2009 representantes e grupos econômicos do município apontam novo local para a edificação da 2º ponte, no qual foi aceito por unanimidade

Foi discutida no mês de dezembro em conferência realizada em Foz do Iguaçu, a apresentação do local para construção da ponte que ligará o Brasil ao Paraguai. Estavam presentes na reunião o secretário de meio ambiente Edson Mezomo, secretário de Turismo Felipe Gonzalez, secretário de planejamento, Wádis Benvenutt entre outros representantes da cidade fronteiriça.
Segundo a matéria publicada no jornal Folha de Notícias (Primeira Linha), na reunião, foi apontada a região norte do município (Porto Belo), considerada a melhor opção para a edificação; em defesa ao novo local foi criado um documento redigido pelo grupo na conferência, com o tema “A Aplicação do Estatuto da Cidade e dos Planos Diretores e a Efetivação da Função Social da Propriedade do Solo Urbano”.
A discussão levou ao Chefe Regional do Instituto Ambiental do Paraná – IAP Irineu Rodrigues Ribeiro, a se posicionar quanto à possível mudança; que de acordo com o mesmo, o local poderá sofrer grandes impactos ambientais e ainda ser prejudicial à região, que conta com um aterro sanitário.
O chefe regional apresenta em defesa do antigo local, (região do Porto Meira), já aprovado pelo DNIT — Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes, a Resolução Conjunta Nº 01/2006 – SEMA/IAP/SUDERHSA, no artigo 3.1, onde mostra que é incompatível a localização de uma edificação em menos que 1.500 metros de distância de núcleos populacionais, a partir do perímetro da área do aterro sanitário.
Neste caso, a edificação da ponte na região norte se torna impossível, pois o local abriga um aterro sanitário, que gera a poluição atmosférica e poluição visual do local.
“O impacto ambiental será muito maior no Porto Belo, pela existência do aterro sanitário e do canal da piracema e ainda os condicionantes no acordo bilateral entre dois países, com o proibimento de qualquer edificação nas proximidades da Usina”, afirma Irineu Ribeiro.
Além de abrigar o aterro, a região norte também possui o canal da piracema; onde é realizado o processo migratório de peixes durante todo o ano.
O canal da piracema conta com 10 km de extensão que liga o Rio Paraná nas proximidades da usina hidrelétrica. Este canal usa um trecho do leito do Rio Bela Vista para vencer o desnível médio de 120 metros existente entre o Rio Paraná e a superfície do reservatório.
“Outra impossibilidade para a existência da 2º ponte na região do Porto Belo seria a existência do canal, pois com a ponte a piracema sofre as consequências, pela emissão de ruídos, gases, odores, particulados, pó e poeira. E a migração dos peixes será drasticamente afetada e ocorrerá o risco de não mais existir”, afirma o Chefe Regional.
Argumentando o local escolhido em primeira estância, o Chefe Irineu Ribeiro defende o Porto Meira. “Com a construção da ponte o local ganhará maior inclusão social e desenvolvimento de toda a região; do ponto de vista técnico, não haverá possibilidade alguma de transferência locacional da edificação da 2º ponte”, finaliza o Chefe Regional.

Relacionadas

NOVA MEDIDA

TSE suspende consequências para quem não votou nas eleições de 2020

HOMENAGEM PÓSTUMA

Prefeito decreta luto oficial de três dias pela morte de Bosco

Carreata pede 'impeachment' de Bolsonaro também em Guarapuava

Comentários