Comitê aprova medidas para melhorar informatização do Judiciário

Brasília – O Comitê de Gestão dos Sistemas Informatizados do Poder Judiciário se reuniu, nesta quarta-feira (01/07), em Brasília, para propor medidas e sugestões a respeito da informatização do Judiciário. Composto por representantes do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e de responsáveis pela área de Tecnologia da Informação dos Tribunais, os participantes do encontro decidiram consultar os tribunais sobre o modelo de sistemas informatizados a ser adotado pela Justiça.
Por meio de consulta pública, os tribunais terão 30 dias para enviar suas sugestões sobre o modelo de requisitos (Moreq). Esse modelo permitirá a elaboração de sistemas processuais e de gestão documental que seriam uniformes na Justiça Brasileira, sempre cumprindo requisitos que garantam a segurança da informação e a comunicação
entre sistemas diferentes.
O Comitê decidiu ainda que o Judiciário deverá implantar o modelo de governo eletrônico E-Ping, que é adotado atualmente pelo Poder Executivo. “Não vamos apenas adotar esse modelo, poderemos também intervir na evolução dele”, explicou o juiz Marivaldo Dantas, membro do Comitê.
Os integrantes do Comitê de Informatização também debateram sobre a necessidade de uma política única na área de TI para todo o Judiciário. A intenção é de que, com um modelo uniforme, seja possível agilizar a prestação jurisdicional. As medidas visam ainda o cumprimento das metas de nivelamento aprovadas no II Encontro do Poder
Judiciário Nacional realizado em fevereiro de 2009, dentre elas a de informatizar todas as unidades judiciárias do Brasil e interligá-las por meio da internet. “O papel deste Comitê é alimentar os tribunais sobre qual deve ser a política institucional do Judiciário, em relação à Tecnologia e Informação (TI)”, destacou o secretário-geral do CNJ, Rubens Curado, que presidiu a reunião.
Durante o encontro, o secretário-geral do CNJ propôs a criação de um Planejamento Estratégico Nacional de Tecnologia da Informação, com diretrizes e objetivos a serem alcançados a curto, médio e longo prazo pelos Tribunais na área de TI, com vistas a obter um nivelamento nacional. “A idéia é criar uma linha de direcionamento para os
Tribunais, sem intervir na autonomia de cada um. A partir disso, cada Tribunal fará seu próprio planejamento alinhado a esse norte”, destacou o secretário geral do CNJ. Segundo dados do Justiça em Números, de 2004 a 2008, o Judiciário gastou pelo menos R$ 2,5 bilhões com ações de tecnologia e informação. “O que fizemos com esse
dinheiro? O que temos de resultado? O que queremos para os próximos anos?”, questionou Rubens Curado ao defender a necessidade de um planejamento estratégico nacional.

EN/MB/ SR Agência CNJ de Notícias

Relacionadas

VIOLÊNCIA

Sábado sangrento deixa três mortos em Rio Bonito Iguaçu

PERIGO

Casal foge de perseguição no Centro de Guarapuava

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

Homem arromba portão para agredir ex-mulher em Guarapuava

Comentários