Ibama e Iap contra o desmatamento no Paraná

Guarapuava – Vários veículos do Ibama podem ser vistos estacionados em frente a Delegacia da Polícia Federal em Guarapuava.
Eles estão sendo utilizados na operação Angusti-Folia que está sendo desencadeada em 15 municípios paranaenses para combater o desmatamento.
O secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Rasca Rodrigues, e o superintendente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) no Paraná, José Álvaro Carneiro, anunciaram os resultados da operação que começou no último dia 25 de maio e que já resultou em 133 autos de infração, totalizando R$ 4,14 milhões em multas.
O presidente da Organização Não-Governamental SOS Mata Atlântica, Mário Mantovani, responsável pelo monitoramento e divulgação da evolução do desmatamento no país, também esteve presente no local.
A operação coordenada pelo Ibama está sendo realizada em 15 municípios da região centro-sul do Paraná, onde estão os maiores remanescentes de floresta nativa do Estado. Participam da operação Polícia Federal, fiscais do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) e Batalhão de Polícia Ambiental Força Verde, além do Ibama.
As 60 equipes que permanecem na região com a Operação embargaram – apenas em uma semana – 165 hectares de área desmatada, o que equivale a 165 campos de futebol de florestas cortadas ilegalmente e sem a autorização dos órgãos ambientais. Foram apreendidos 35 caminhões de madeira cerrada, 20 caminhões de araucária e 24 caminhões de imbuia que estavam sendo transportados para a venda com nota fiscal referente ao transporte de pinnus (árvore exótica que tem o corte permitido com autorização). Além disso, foram encontradas e apreendidas serrarias móveis e fornos de carvão instalados em áreas de florestas. Apenas uma pessoa foi presa até o momento.
O superintendente do Ibama disse que toda a operação foi endossada pelo governador Roberto Requião e contou com o apoio da Secretaria do Meio Ambiente e do IAP. “Estamos atuando em conjunto para evitar a continuidade do desmatamento no Paraná. Hoje, a meta dos criminosos é deixar as terras sem florestas para permitir outro tipo de uso econômico”, afirmou Carneiro.
Ele explicou que as ações de comando e controle continuarão até que a sensação de impunidade na região seja revertida. “Estamos atuando em uma área que corresponde a um milhão de hectares. Nesta região, constatamos que grande parte dos crimes está sendo promovida por políticos e pessoas poderosas que se escondem atrás de pessoas humildes”, destacou. Segundo ele, a afirmação se deve a descoberta de que madeireiros pagam a famílias de baixa renda para que eles simulem ocupações e invasões em áreas de florestas.
“Para que se tenha uma ideia, um dos maiores autuados nesta operação é o prefeito do município de General Carneiro, Ivanor Dacheri, que é reincidente em multas por crimes de desmatamento no Paraná”, conta.
Na Escola de Governo de hoje, terça-feira, o deputado Valdir Rossoni (PSDB) ficou irritado com as prisões de empresários da indústria da madeira na região de União da Vitória, onde o “tucano” tem a sua empresa.
É que na madrugada de hoje a Secretaria do Meio Ambiente, o IBAMA e o IAP, à frente de força policial, invadiram empresas e prenderam empresários em suas casas. Rossoni diz que houve “abuso de autoridade e pirotecnia marqueteira na operação”.
O governador Requião marcou audiência com Rossoni para depois da Escola e disse que vai cumprir o Código Florestal “doa a quem doer”.

CAMPANHA – Entre as medidas propostas para reduzir o desmatamento, o secretário Rasca Rodrigues anunciou o início de uma campanha de combate ao desmatamento da araucária que será chamada “Contagem Regressiva”. O governador Roberto Requião aprovou a ação, nesta segunda-feira (01), em almoço no Palácio das Araucárias com representantes dos órgãos ambientais e ambientalistas.
“Faremos uma mobilização nacional, que será iniciada no Paraná para salvar a floresta com araucária e juntamente com as ações de fiscalização, pretendemos reduzir ainda mais os índices de desmatamento no Estado”, declarou o secretário, fazendo referência à redução de 41% no desmatamento no Paraná, anunciada na última semana pelo Instituto SOS Mata Atlântica.
A ideia da campanha é distribuir cartilhas sobre a importância da floresta com a araucária e da mata atlântica no Paraná. Árvores centenárias de araucárias cortadas serão expostas em espaços de grande circulação como a rua XV em Curitiba, museus, universidades e áreas públicas.
O presidente do SOS Mata Atlântica, Mario Mantovani, disse que vê no Paraná uma referência para o Brasil, quanto ao cumprimento da legislação ambiental.
“Viemos aqui discutir com o governador sobre o momento muito crítico que estamos vivendo, quando outros estados querem descaracterizar o código florestal visando interesses políticos. O que a gente vê no Paraná é uma referência no Brasil, um estado que não criou resistência à legislação e continua tendo crédito, continua garantindo a produção, continua incentivando o proprietário quanto à importância da preservação”, declarou Mantovani. Ele completou dizendo que irá aderir à campanha paranaense e, em contrapartida, o governador Requião garantiu que continuará atuando em defesa da legislação ambiental.
“O Paraná é um estado que faz o dever de estado, que mantém a legislação com firmeza e que consegue desenvolver e isto é uma referência para todo o Brasil”, finalizou Mantovani.

Foto: Luis Gustavo Antunes – SEMA – Com informações da AEN

Relacionadas

EXEMPLO

Bituruna economiza R$ 800 mil com redução de salários na pandemia

ECONOMIA

Paraná perde quase R$ 1,5 bilhão em arrecadação no 1º semestre

INSPIRAÇÃO

Projeto do grupo turvense Gralha Azul é premiado internacionalmente

Comentários