IML procura laboratório para exame de maconha no sangue do deputado

Guarapuava – O Instituto Médico-Legal (IML) do Paraná entregou à polícia, nesta segunda-feira, dia 25, o laudo do exame toxicológico do sangue do deputado Fernando Ribas Carli Filho (PSB).
Não foram encontrados vestígios de cocaína, ecstasy ou anfetamina. O IML, porém, ainda procura um laboratório que seja capaz de fazer a análise da presença de maconha, pois só faz o exame em amostras de urina.
“O mais comum, realizado em todos os laboratórios públicos ou particulares, é o exame em urina. No entanto, só temos amostra de sangue e são raros os laboratórios que fazem o exame através do sangue”, disse o interventor do IML, coronel Almir Porcides Júnior, segundo a assessoria de imprensa da Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp).
O perito José Escorsin Neto informa no laudo, ainda segundo a Sesp, que as amostras de sangue não foram coletadas especificamente para o exame toxicológico e sua manipulação para outros exames poderia interferir no resultado desta análise. “O resultado do exame do IML é 100% confiável. Entretanto, não podemos afirmar que as amostras de sangue foram manipuladas e acondicionadas da maneira específica para este exame, o que pode interferir no resultado”, explicou Porcides.
Reportagem da Gazeta do Povo revelou que Carli Filho estava com a carteira de motorista cassada no momento da ocorrência, em razão do excesso de multas – a maioria por excesso de velocidade.
Os pais do parlamentar defenderam que ele seja punido se for provada a sua responsabilidade no acidente. “Nós não vamos pôr a mão na cabeça. Se ficar provado que ele é culpado, ele vai ter que pagar pelo que fez”, afirmou a mãe de Carli Filho, Ana Rita Carli, em entrevista ao Fantástico, transmitida no domingo (17).

Jornal Gazeta do Povo on line

Relacionadas

VACINAÇÃO

5ª Regional de Saúde terá 5.920 doses de vacina para 20 municípios

INÍCIO DE MANDADO

Primeira sessão ordinária da Câmara ainda não tem dia definido

MILITARIZAÇÃO

Deputados aprovam alterações no programa Colégios Cívico-Militares

Comentários