Mãe acusa funcionários de Lotérica de hostilizar filho autista em Guarapuava

De acordo com Rita Armstrong, ela e o filho foram hostilizados por um cliente da Lotérica, além da atendente e a gerente por utilizar a fila preferencial

Autistas tem direito a utilizar fila preferencial (Foto: Arquivo Pessoal)

A desinformação sobre os direitos dos autistas causou constrangimento a uma mãe e seu filho especial nesta semana. Rita Armstrong, mãe de Henrique fez um desabafo em uma rede social contando sobre como os dois foram hostilizados ao tentar utilizar a fila preferencial em uma Lotérica em Guarapuava.

De acordo com o relato de Rita, depois de mais de 40 dias de confinamento com o filho autista, ele se demonstrou alegre e animado, em acompanhar a mãe até uma Lotérica.”Quem tem um autista em casa sabe da alegria que é quando nossos filhos querem sair de casa. Afinal são muitos anos de terapia para isso acontecer”.

Assim, seguiram até o local, onde, de acordo com ela foram ofendidos por um cliente, a atendente e a gerente do estabelecimento. “Ocorre que na Lotérica fomos esculachados por um cliente e o que é pior, com a ajuda da atendente e sua gerente. O cliente veio com xingamentos ao meu filho insinuando que ele estava cortando fila (como dizia meu pai quem usa, mal acusa) fui logo mostrando a carteirinha de prioridade que o autista tem assegurado por lei, ainda mais neste momento de Covid-19 sendo ele do grupo de risco”.

O relato segue afirmando que “a atendente que, sabendo da lei, deveria nos defender já que se manifestou desnecessariamente. Passou a nos agredir também e defender o agressor”.

Rita descreveu ainda que a gerente gritou com os dois afirmando que  ela “também era mãe de autista e daí?”. Ainda de acordo com a mulher, as agressões cessaram apenas quando Rita passou a filmar a ação dos agressores. “Quando passei a filmar calaram-se e a atendente, sarcasticamente, passou a exageradamente me tratar bem, com deboche, para nos humilhar mesmo. O cliente agressor continuou balbuciando que era brincadeira essa Lei”.

PRIORIDADE

Prioridade no atendimento ao autista em Guarapuava agora é lei. Supermercados, bancos, farmácias, bares, restaurantes e lojas em geral devem obrigatoriamente apresentar nas placas de atendimento prioritário a fita de quebra-cabeça, símbolo universal do autismo.

A lei municipal nº 2947/2019 obriga os órgãos públicos e estabelecimentos privados a não deixarem pessoas com Transtorno Espectro do Autismo (TEA) em filas.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

AJUDA URGENTE

'Vidas por Vidas' faz rifa solidária para não fechar as portas

TURISMO RELIGIOSO

Caminho da fé: estações da Via Sacra estão em fase final de construção

SONHO REALIZADO

Governo regulamenta terras de pequenos produtores em Candói

Comentários