Mandetta continua, mas pede paz para trabalhar no Ministério da Saúde

A partir de 13 de abril, governo federal inicia o distanciamento seletivo, com maior abertura de atividades econômicas e circulação de pessoas

Mandetta continua, mas pede paz para trabalhar no Ministério da Saúde (Foto: Reprodução)

Depois de um dia de dúvida e boatos sobre a permanência de Luiz Henrique Mandetta no cargo, o ministro da Saúde afirmou em entrevista coletiva na noite desta segunda (6) que vai continuar no Ministério. A permanência dele à frente da pasta foi questionada depois de críticas feitas pelo presidente Jair Bolsonaro.

“Hoje foi dia que rendeu pouco, ficou todo mundo com a cabeça avoada se eu iria permanecer ou sair. Agradeço muitos que vieram em solidariedade. Gente limpando gaveta, inclusive a minha. Nós vamos continuar, porque continuando nós vamos enfrentar o nosso inimigo, que é a covid-19”.

De acordo com informações da Agência Brasil, Mandetta afirmou que diante da tarefa de combate à pandemia é importante ter um bom ambiente de trabalho e condenou o que chamou de críticas não construtivas.

Mas as condições de trabalho precisam ser para todos. A única coisa é que tenhamos melhor ambiente para trabalhar no ministério. Esperamos que a gente possa possa ter paz.

O titular da pasta agradeceu a equipe, dizendo que ela entrou junta e sairá junta. Ele afirmou que a reunião entre o presidente e ministros “reposicionou” o governo “no sentido de ter mais foco”.

Esse reposicionamento foi marcado por uma mudança nas orientações do ministério, que passa a trabalhar com dois tipos de distanciamento social: o ampliado e o seletivo. O primeiro é o que vem sendo feito pelos estados. Entretanto, o segundo envolve uma abertura maior a atividades econômicas e circulação de pessoas abaixo de 60 anos desde que não apresentem sintomas.

Pelas novas recomendações, as cidades ou estados que tenham pelo menos 50% dos leitos vagos poderão adotar um modelo de distanciamento seletivo a partir da próxima segunda (13). Mas essa alternativa não vale para unidades federativas com alto índice de incidência de casos por 100 mil habitantes, como é o caso de São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará, Amazonas e Distrito Federal.

Mandetta colocou que há dias vem reforçando a importância do distanciamento até que os sistemas de saúde de cidades e estados estejam estruturados com leitos, máquinas e insumos (como equipamentos de proteção individual). Enquanto isso não estiver garantido, é importante manter o distanciamento.

Momento é de cautela, é de distanciamento social. Isso que vocês passaram não é quarentena. É muito mais duro que isso. Estamos em fase de distanciamento social. Pessoa pode fazer caminhada, não precisa ficar trancada, mas não pode aglomerar. A gente está conseguindo ter um número de casos relativamente controlado. Não vamos deixar que a cidade A, B ou C vá fazer o movimento exponencialmente pra cima.

Para fazer essa transição, será necessário um acompanhamento ágil dos leitos e equipamentos. Por fim, a equipe do Ministério da Saúde anunciou que fará nesta semana uma recadastramento da situação das unidades de saúde nos estados para verificar a ocupação e as condições destes.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

COMO ASSIM?

Bolsonaro diz que a Amazônia é 'úmida' e 'só pega fogo pelas bordas'

NO TRÂNSITO

Hoje inicia a Semana Nacional do Trânsito em todo o país

NÚMEROS ASSUSTADORES

Insegurança alimentar cresce e atinge mais três milhões de pessoas

Comentários

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com