Morte de agricultora por violência obstétrica gera ato em Guarapuava

Manifestação será neste sábado (14), às 11h30, em frente o Instituto Virmond, onde a agricultora e o bebê morreram. Protesto também será em defesa do SUS

Morte de agricultora por violência obstétrica gera ato em Guarapuava (Foto: Reprodução/Pixabay)

A morte da agricultora rural Claudete Aparecida de Jesus, por violência obstétrica, é um dos motes de ato público neste sábado (14), em Guarapuava. De acordo com a organização da Frente Brasil Popular, o protesto será às 11h30, em frente ao antigo Hospital Santa Tereza, hoje Instituto Virmond.

Conforme a coordenação, a agricultora Claudete Aparecida de Jesus, deu entrada no hospital em trabalho de parto às 2h da madrugada do dia 9 de janeiro deste ano. “Já internada, desde às duas horas da manhã, ela gritava por socorro e pedia que não a deixassem morrer. Mesmo assim, a médica que estava de plantão dizia que as dores eram normais. Porém, nenhum procedimento foi feito para ver como ela e o bebê estavam”, disse o familiar em depoimento ao Portal RSN.

Entretanto, segundo o relato, às 18 horas desse dia, Claudete foi perdendo as forças. “Nesse momento forçaram o parto, rompendo órgãos internos da Claudete. Em seguida ela entrou em coma. O bebê [Emanuel] morreu dois dias depois”. Claudete então ficou internada na UTI do hospital e morreu no dia 27 de janeiro.

Conforme relatos da família, a mulher que morava na ocupação Rocha Loures, em Boa Ventura de São Roque, tinha 34 anos. Era casada com Renato e mãe de três filhas. “Exemplo de bondade, tranquila, organizada, participativa, Claudete foi vítima da crueldade de um sistema que não prioriza a vida”, disse Fátima, que é uma das organizadoras do protesto.

“Por isso estamos e estaremos em luta neste ato e em demais atos que se fizerem necessários. Pela vida das mulheres. Por partos humanizados. Em defesa do SUS. E dizendo ‘não’ à violência obstétrica”. O Portal RSN entrou em contato com a administração do Instituto Virmond.

Porém, a decisão do Instituto foi em não comentar o caso, mas disse que respeita a manifestação. Entretanto, o nome da médica não foi revelado. De acordo com familiares,  estão sendo reunidos documentos e a defensoria pública está auxiliando.

Estamos aguardando a liberação do prontuário de atendimento por parte do Instituto Virmond para então, depois, formalizarmos a denúncia. 

Por fim, a Frente Brasil Popular afirmou que o protesto vai agregar movimentos sociais, populares e sindicais.

“DESMONTE DO SUS”

A morte de Claudete, assim como outras, está considerada uma consequência da aprovação da Emenda Constitucional 95. Anteriormente conhecida como PEC do Teto dos Gastos Públicos, a medida de austeridade fiscal foi assinada em 2016 pelo então presidente Michel Temer (MDB). Assim, ela condiciona por 20 anos, o investimento público em Saúde ao reajuste da inflação.

Alia-se a essa medida o recuo no programa ‘Mais Médicos’ e o definhamento das políticas públicas. A Educação também foi afetada por essa decisão.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

'Live' de Roberto Kuster vai arrecadar para duas entidades de Guarapuava

SOLIDARIEDADE

Decker Advogados Associados arrecada roupas e agasalhos

REFLEXO

Pesquisa mostra que pandemia fez número de casamentos cair até 61%

Comentários