Preço dos combustíveis pode subir, avisa Bolsonaro

Ataque dos Estados Unidos ao Irã já aumentou valor do petróleo em outros países e vai impactar no Brasil. "Se subir muito complica", diz Bolsonaro

*Com Agência Brasil

Jair Bolsonaro, presidente (Foto/Divulgação)

O ataque dos Estados Unidos contra o Irã vai impactar no preço dos combustíveis no Brasil, segundo afirmou o presidente Jair Bolsonaro nesta sexta (3). ” “Que vai impactar, vai. Agora, vamos ver nosso limite aqui. Porque, se subir, já está alto o combustível, se subir muito complica. Agora, o que eu gostaria que vocês fizessem é que mostrasse para o povo duas coisas: primeiro que eu não posso tabelar nada. Pediram para tabelar carne. Já fizemos essa política de tabelamento no passado e não deu certo”.

Em busca de orientação, Jair Bolsonaro disse que tentou falar com o ministro da Fazenda e e com a Petrobras, mas nem Paulo Guedes e nem Roberto Castello Branco atenderam o telefone.

De acordo com a Agência Brasil, o valor do petróleo já subiu 4% na Ásia, chegando a $ 68,90 o barril tipo ‘brent’. É que o Irã e o Iraque estão entre os principais produtores mundiais de petróleo.

Assim, o valor do dólar frente ao real encerrou esta sexta-feira (3) subindo 0,74%, passando a valer R$ 4,056.

A CRISE

 A crise entre os Estados Unidos e o Irã se agravou com a morte do comandante de alto escalão da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã.  O general Qassem Soleimani  morreu durante ataque aéreo  disparado  pelos Estados Unidos em Bagdá, capital do Iraque.
Porém, o Departamento de Defesa dos EUA divulgou uma declaração na quinta (2). Disse que “sob o comando do presidente, as forças armadas dos EUA agiram defensivamente de forma decisiva, matando Qassem Soleimani para proteger os indivíduos americanos no exterior”.
Porém, a ação foi uma resposta ao ataque à embaixada norte-americana em Bagdá, na terça por pró-iranianos. Soleimani era o comandante da unidad Quds, uma brigada de forças especiais responsável por operações militares extraterritoriais do Irã que faz parte da Guarda Revolucionária Islâmica.Em contrapartida, o líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, sugeriu medidas retaliatórias contra os Estados Unidos. Khamenei disse que o assassinato do general Soleimani iria dobrar as motivações contra os Estados Unidos. Ele também disse que “uma retaliação severa espera aqueles que mataram Soleimani”.Assim, a representação diplomática dos EUA pediu aos norte-americanos no Iraque “que partam de avião o mais rápido possível” ou saiam “para outros países por via terrestre”. De acordo com a Agência Brasil, as principais passagens de fronteira do Iraque levam ao Irã e à Síria, mas há outros pontos de passagem para a Arábia Saudita e a Turquia.

VINGANÇA

Entretanto, os ataques norte-americanos contra o Irã geram tensão entre líderes mundiais. Após os Estados Unidos ter confirmado a autoria do ataque que matou o chefe da Guarda Revolucionária do Irã, Qassem Solemani, na última quinta (2), o preço do petróleo subiu, manifestações tomaram conta das ruas do Irã e a tensão mundial cresceu. O presidente iraniano, Hassan Rouhani, afirmou que irá resistir aos Estados Unidos e prometeu vingança.

O martírio de Soleimani tornará o Irã mais decisivo para resistir ao expansionismo americano e defender nossos valores islâmicos. Sem dúvida, o Irã e outros países que buscam a liberdade na região se vingarão.

De acordo com a presidente da Câmara dos Deputados norte-americana, a democrata Nancy Pelosi, a ação representa “uma escalada perigosa da violência”. Conforme Pelosi,  “os Estados Unidos – e o mundo – não podem permitir uma escalada de tensões que chegue a um ponto sem retorno”.

Diante da repercussão do episódio, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, buscou justificar o ato. Em sua conta no Twitter, declarou que Soleimani matou ou feriu “milhares de americanos por um período estendido de tempo e planejava matar muito mais” e acusou-o de participar da morte de manifestantes iranianos em seu país.“Embora o Irã não admitisse isso, Soleimani era odiado e temido em seu país. Eles não estão tristes como seus líderes querem fazer o mundo crer”. Trump acrescentou que as pessoas do Iraque “não querem ser dominadas e controladas pelo Irã”.

“HONRAR A MEMÓRIA”

Também pelo Twitter, o líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, postou que o país vai “honrar a memória do Major Soleimani” e declarou três dias de luto. O presidente da República Islâmica do Irã, Hassan Rouhani, acrescentou que a “resistência contra os excessos dos Estados Unidos vai continuar” e que “o Irã vai se vingar deste crime hediondo”.

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Javad Zariff, afirmou que o “ato de terrorismo internacional” dos Estados Unidos, a força mais efetiva de luta contra o Estado Islâmico, é “extremamente perigoso e uma escalada tola”. O chanceler completou que os EUA são responsáveis pelo seu comportamento “aventureiro”.

O primeiro-ministro do Iraque, Adel Abdul Mahdi, condenou o ataque, classificando-o de uma “agressão ao Iraque, ao Estado, ao governo e ao seu povo”, bem como uma violação da condição das forças dos Estados Unidos no país.

OUTROS PAÍSES

Representantes do governo russo criticaram o ato e manifestaram apoio ao Irã. O diretor do Conselho da Europa para Relações Exteriores, Carl Bildt, apontou que a situação enfraquece o Iraque e faz o país mais propenso à atuação de grupos terroristas, como o Estado Islâmico.

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, manifestou preocupação com a situação e advogou pela redução do aprofundamento dos conflitos no Golfo. “Este é um momento em que líderes devem exercitar sua cautela. O mundo não pode permitir uma nova guerra no Golfo”, pontuou.

O ministro das Relações Exteriores do Canadá, François-Phillipe Champagne, divulgou nota em tom semelhante na qual convoca os governantes dos países envolvidos “de todos os lados” para não permitirem a escalada do conflito. “Nosso objetivo continua sendo um Iraque estável e unido”, continuou, acrescentando que o país possuía preocupação com a atuação do general iraniano na região.

Leia outras notícias no Portal RSN.

 

Relacionadas

FACILIDADE

Financiamento da casa própria já pode ser feito por app da Caixa Econômica

DESIGUALDADE

Prisões de negros crescem 14% nos últimos 15 anos no Brasil

AUXÍLIO COM RESTRIÇÕES

Bolsonaro sanciona com vetos, auxílio emergencial para setor esportivo

Comentários