Veneri ataca a “idade das trevas” imposta por Bolsonaro na educação pública

"Não será destruindo a educação, as universidades, que nós vamos construir um país decente", diz deputado

*Reportagem com vídeo/Alep

A asfixia orçamentária imposta pelo governo Bolsonaro/Guedes, que atinge a educação como um todo do ensino básico ao ensino superior público, foi o tema do pronunciamento do deputado estadual Tadeu Veneri na sessão dessa segunda (6). “Não será destruindo a educação, as universidades, que nós vamos construir um país decente. Manifesto todo o nosso apoio ao ensino público”, disse Veneri.

O governo cortou R$ 2,4 bilhões da educação básica e 30% das verbas do orçamento das universidades federais. Na Universidade Federal do Paraná, a redução foi de R$ 48 milhões, que ameaçam a sobrevivência da instituição. “Por ignorância, má fé ou desconhecimento, o atual governo tenta impor a idade das trevas no nosso país”, afirmou Veneri, líder da bancada de Oposição na Assembleia Legislativa.

Veneri citou dados do economista Marcio Pochmann que revelam o tamanho do sistema do ensino superior público no país. São 2.448 Instituições de Ensino Superior que anualmente absorvem cerca de 3,2 milhões de novos ingressantes e formam ao redor de 1,1 milhão de profissionais oriundos de 35,4 mil cursos de graduação.

Além de grandioso e complexo, o sistema universitário detém uma das principais plataformas de ensino e pesquisa na pós-graduação mundial que forma anualmente mais de 50 mil mestres e quase 17 mil doutores. Veneri mencionou ainda o levantamento da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior no Brasil (Andifes), mais de 50% dos estudantes das universidades públicas fazem parte de famílias que recebem mensalmente menos de um salário mínimo per capita.

Relacionadas

FUTEBOL

Conheça os 10 maiores artilheiros da seleção brasileira de todos os tempos

13º SALÁRIO

Décimo terceiro salário vai injetar 5,4% a menos na economia em 2020

INDECISO

Bolsonaro diz que vai revogar decreto sobre participação privada no SUS

Comentários