Comunidades tradicionais receberão atendimento emergencial do Governo

As ações atenderão ciganos, indígenas, quilombolas, benzedeiras e outras 10 comunidades consideradas tradicionais. O gasto será de R$ 400 milhões

Comunidades tradicionais receberão atendimento emergencial do Governo (Foto: Divulgação/AENPr)

A Superintendência Geral de Diálogo e Interação Social (Sudis) do Governo do Estado montou nesta semana, uma força-tarefa para levantar as necessidades de famílias consideradas tradicionais.

Assim, segundo a diretriz do Governo, as lideranças governamentais têm até sábado (28) para requisitar atendimento emergencial em três linhas: cestas básicas, kits de higiene e kits de medicamentos.

COMUNIDADES

Entretanto, após o levantamento, os produtos serão entregues para famílias de pescadores, ilhéus, ciganos, indígenas, quilombolas, cipozeiros, benzedeiras, ribeirinhos, faxinalenses e população de matriz africana.

De acordo com o Governo do Estado, esta medida leva em conta a luta contra o novo coronavírus e as restrições sociais impostas pela pandemia e as particularidades de cada grupo.

Conforme o superintendente da Sudis, Mauro Rockenbach, a classificação de famílias tradicionais leva em conta os povos e comunidades que dependem do comércio autônomo e artesanal e que também estão localizados em lugares de difícil acesso.

ABASTECIMENTO

O Paraná tem 38 comunidades quilombolas certificadas pela Fundação Cultural Palmares. Contudo, outros estudos da Sudis demonstram que são, pelo menos, 80 comunidades, o que representa mais de 21 mil famílias.

As comunidades tradicionais envolvem entre 500 mil e 1 milhão de pessoas. Toda via, as ações da Sudis estão dentro do pacote social de atenção do Governo do Estado contra a Covid-19. Os gastos serão de pelo menos R$ 400 milhões.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

DETERMINAÇÕES

Estado estabelece normas para proteção de trabalhadores

AJUDA

Campo Real oferta atendimento psicológico durante quarentena

FUNDO DE GARANTIA

Recolhimento do FGTS de domésticos pode ser suspenso por 3 meses

Comentários