Sem qualquer sinalização de acordo, greve dos bancários continua

A greve dos bancárias entra no décimo dia sem qualquer avanço nas negociações entre a categoria e os banqueiros. Em Guarapuava todas as agências continuam fechadas, segundo o Sindicato da categoria.

A greve já é a maior dos últimos 20 anos, superando a de 2009, quando os bancários paralisaram 7.222 unidades no dia de maior pressão do movimento. 
Ontem, quinta-feira (7) a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) recebeu carta da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), em resposta ao documento enviada na segunda-feira, dia 4, pelo Comando Nacional dos Bancários, sem apresentar nova proposta e nem marcar nova rodada de negociações.
"Além de não trazer nenhuma proposta, a carta da Fenaban é uma provocação às entidades sindicais. Além disso, a entidade patronal faz terrorismo em suas declarações à imprensa, tentando jogar a população contra os trabalhadores. Essa irresponsabilidade dos bancos só fortalecerá a greve nacional que completa nove dias e segue crescendo em todo país", denuncia Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional dos Bancários.
A Contraf-CUT encaminhou novo ofício à Fenaban, propondo que marque data, local e horário para que os bancos possam apresentar uma proposta global e decente para acabar com a greve que já dura nove dias.
Na quinta-feira, os trabalhadores fecharam 8.280 agências nos 26 estados e no Distrito Federal, segundo dados enviados pelos sindicatos até as 18h para a Contraf-CUT. Esse número representa um aumento de 557 unidades em relação ao dia anterior e ultrapassa em 114% as 3.864 agências paralisadas no início da mobilização, em 29 de setembro. Também foram fechados centros administrativos de todos os bancos.
"A proposta única de 4,29%, zero de aumento real e nada mais foi rejeitada pelas assembleias em todo o país, estamos em greve há nove dias e os bancos mantêm uma intransigência absurda. Outros segmentos econômicos, como metalúrgicos, petroleiros e telefônicos, negociaram e fizeram acordos com aumento acima da inflação e sem que houvesse greve. Por que os bancos, que são mais lucrativos, não negociam?", questiona Carlos Cordeiro.
Os bancários reivindicam 11% de reajuste, valorização dos pisos salariais, maior Participação nos Lucros e Resultados (PLR), medidas de proteção da saúde que inclua o combate ao assédio moral e às metas abusivas, garantia de emprego, mais contratações, igualdade de oportunidades, previdência complementar para todos, fim da precarização via correspondentes bancários e mais segurança.

Com informações da Contraf-Cut

Relacionadas

BAIRRO INOVADOR

'Cidade dos Lagos' atrai a atenção de investidores de várias Regiões

NOVO PROGRAMA

Estado lança programa para recuperar economia dos municípios

MODELO

Cilla Tech Park atrai investidores de Cascavel para Guarapuava

Comentários

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com